Até os bispos apelam a Gilmar pelo fim das doações privadas

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), junto com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), pediu nesta quarta-feira 25 a retomada do julgamento sobre a proibição de doações de empresas privadas para campanhas políticas, travado há quase um ano por um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes; os representantes das entidades reuniram-se com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski; "Estamos vendo a realidade nua e crua da influência do financiamento das empresas. Estamos todo dia no noticiário e gostaríamos de ver resolvida essa questão. Creio que Supremo poderá nos dar luz e ajudar a sociedade", disse o secretário-geral da CNBB, Leonardo Steiner  

www.brasil247.com - A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), junto com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), pediu nesta quarta-feira 25 a retomada do julgamento sobre a proibição de doações de empresas privadas para campanhas políticas, travado há quase um ano por um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes; os representantes das entidades reuniram-se com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski; "Estamos vendo a realidade nua e crua da influência do financiamento das empresas. Estamos todo dia no noticiário e gostaríamos de ver resolvida essa questão. Creio que Supremo poderá nos dar luz e ajudar a sociedade", disse o secretário-geral da CNBB, Leonardo Steiner
 
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), junto com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), pediu nesta quarta-feira 25 a retomada do julgamento sobre a proibição de doações de empresas privadas para campanhas políticas, travado há quase um ano por um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes; os representantes das entidades reuniram-se com o presidente do STF, Ricardo Lewandowski; "Estamos vendo a realidade nua e crua da influência do financiamento das empresas. Estamos todo dia no noticiário e gostaríamos de ver resolvida essa questão. Creio que Supremo poderá nos dar luz e ajudar a sociedade", disse o secretário-geral da CNBB, Leonardo Steiner   (Foto: Gisele Federicce)


Por André Richter, da Agência Brasil

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) pediram nesta quarta-feira 25 a retomada do julgamento sobre a proibição de doações de empresas privadas para campanhas políticas. Os representantes das entidades reuniram-se com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski.

O julgamento foi interrompido em abril do ano passado, por um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, quando o placar estava seis votos a um pelo fim de doações de empresas para candidatos e partidos políticos. Após a reunião, Lewandowski enviou o pedido das entidades para Mendes.

Segundo o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcos Vinícius Furtado Coêlho, o atual sistema político, com a prevalência do poder econômico, não pode continuar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Entendemos que é importante para o Brasil uma definição da matéria para que possamos todos ter, após essa definição, adoção dos caminhos necessários ao Brasil, disse. Para ele, é preciso "construir consensos e aprovar reforma política que melhore o sistema político", disse.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O secretário-geral da CNBB, Leonardo Steiner, disse que as entidades fariam uma vigília, ontem à noite, em frente ao Supremo. Segundo ele, seriam acesas 365 velas para lembrar um ano do pedido de vista do ministro Gilmar Mendes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Estamos vendo a realidade nua e crua da influência do financiamento das empresas. Estamos todo dia no noticiário e gostaríamos de ver resolvida essa questão. Creio que Supremo poderá nos dar luz e ajudar a sociedade", disse Steiner.

Participaram do encontro representantes do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), da União Nacional dos Estudantes (UNE), entre outras entidades.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na semana passada, os deputados federais Jorge Solla (PT-BA) e Henrique Fontana (PT-RS) entraram com uma representação contra Gilmar Mendes no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Os parlamentares alegam que Mendes deve responder a processo administrativo pela demora na conclusão do voto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email