Atila Iamarino: se cloroquina funcionasse, Trump compraria estoques e não mandaria comprimidos ao Brasil

“A maior prova de que cloroquina não funciona é que (os Estados Unidos) não compraram os estoques mundiais. Pelo contrário, mandaram para cá”, comentou o cientista Atila Iamarino

(Foto: Reprodução | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

RBA - O anúncio da compra pelos Estados Unidos de todas as doses de vacinas contra a covid-19 que os laboratórios Pfizer e BioNTech prometem produzir em 2020 é a maior prova de que a cloroquina não funciona, afirma o biólogo Atila Iamarino. “A maior prova de que cloroquina não funciona é que (os Estados Unidos) não compraram os estoques mundiais. Pelo contrário, mandaram para cá”, comentou o cientista em seu Twitter.

Conforme anúncio feito hoje (22), os Estados Unidos vão desembolsar US$ 1,95 bilhão por 100 milhões de doses. O pagamento será feito após a aprovação das vacinas pela agência reguladora de medicamentos e alimentos daquele país, a FDA. O acordo prevê ainda a entrega de até 600 milhões de doses aos Estados Unidos ao longo do próximo ano. Segundo os laboratórios, que anunciaram resultados positivos de uma vacina produzida em conjunto, não há condições de produzir mais doses além das adquiridas pelo governo de Donald Trump.

Cloroquina de Trump

Trump doou ao amigo e garoto-propaganda da cloroquina, Jair Bolsonaro, cerca de 3 milhões de comprimidos de sua versão menos tóxica, a hidroxicloroquina. Sem eficácia e segurança comprovadas no tratamento da covid-19, o medicamento chegou ao Brasil em frascos de 100 comprimidos – o que representa um gasto, já que deverão ser divididas em caixas com a quantidade indicada para o tratamento. O Ministério da Saúde já avisou que o custo dessa operação ficará por conta dos estados.

Em meados de junho, Trump disse que continuará mandando hidroxicloroquina ao Brasil, apesar de a agência de vigilância sanitária ter revogado a autorização emergencial para seu uso no tratamento de covid-19. Em entrevista, afirmou que “não sabia” sobre o relatório da FDA . “Muita gente me diz que isso poderia salvar vidas”, disse.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247