Auxílio-moradia é 'troco' perto do aumento do STF

Dados de estudos da Consultoria de Orçamentos do Senado Federal apontam que nem mesmo o corte total do auxílio-moradia de juízes federais compensaria o impacto do reajuste de 16,38% no salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), aprovado pelo Senado; o valor de R$ 4.377 pago indiscriminadamente a boa parte dos juízes custa R$ 333 milhões anuais aos cofres públicos, enquanto o aumento para juízes federais custará R$ 717 milhões, sem contar o efeito-cascata, que pode chegar a R$ 6 bilhões, de acordo com estudos do mercado

Auxílio-moradia é 'troco' perto do aumento do STF
Auxílio-moradia é 'troco' perto do aumento do STF (Foto: Adriano Machado/Reuters)

247Dados de estudos da Consultoria de Orçamentos do Senado Federal apontam que nem mesmo o corte total do auxílio-moradia de juízes federais compensaria o impacto do reajuste de 16,38% no salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), aprovado pelo Senado. O valor de R$ 4.377 pago indiscriminadamente a boa parte dos juízes custa R$ 333 milhões anuais aos cofres públicos, enquanto o aumento para juízes federais custará R$ 717 milhões, sem contar o efeito-cascata, que pode chegar a R$ 6 bilhões, de acordo com estudos do mercado.

A reportagem do jornal O Globo destaca que "ao negociar o reajuste com o Executivo, em agosto, o presidente do STF, ministro Dias Toffoli, comprometeu-se a limitar o benefício de modo a compensar parte do impacto do aumento. A promessa foi renovada na terça-feira, quando Toffoli pediu ao presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que colocasse o projeto em votação".

E acrescenta: "o presidente Michel Temer deve aguardar uma ação concreta sobre o que o Supremo pretende fazer com o auxílio-moradia da magistratura para, só depois, decidir se irá sancionar o projeto.Segundo auxiliares do presidente, ele deve usar os 15 dias a que tem direito para analisar os impactos do aumento e os planos do Judiciário para cortar gastos".

 

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247