Avião de Eduardo Campos era de empresa pivô de caixa dois

Uma das empresas donas do avião que caiu e matou o presidenciável Eduardo Campos (PSB) em 2014 é apontada por ex-executivos delatores da OAS como uma das principais geradoras de caixa dois e pagamento de propina da empreiteira, principalmente a políticos do Norte e Nordeste; a Câmara e Vasconcelos Terraplanagem, segundo os delatores, lavou pelo menos R$ 79 milhões que seriam destinados a caixa dois e propina de 2009 a 2014

Avião de Eduardo Campos era de empresa pivô de caixa dois
Avião de Eduardo Campos era de empresa pivô de caixa dois (Foto: WESLEY RODRIGUES/JORNAL HOJE EM)

247 - Uma das empresas donas do avião que caiu e matou o presidenciável Eduardo Campos (PSB) em 2014 é apontada por ex-executivos delatores da OAS como uma das principais geradoras de caixa dois e pagamento de propina da empreiteira, principalmente a políticos do Norte e Nordeste. A Câmara e Vasconcelos Terraplanagem, segundo os delatores, lavou pelo menos R$ 79 milhões que seriam destinados a caixa dois e propina de 2009 a 2014.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo informa que "ela [a empresa] firmava com a OAS contratos superfaturados de terraplanagem e forjava estudos de engenharia, de acordo com os delatores. Na lista de obras mencionadas no suposto esquema estão grandes projetos como a transposição do rio São Francisco. Na delação, os ex-funcionários da Controladoria, nome dado ao setor responsável pelo caixa dois e os pagamentos de propina da empresa baiana, relataram mais de 200 episódios de corrupção envolvendo a OAS."

A matéria ainda acrescenta que "são citados nos documentos políticos que já são alvos de outras investigações derivadas da Lava Jato, como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) e Fernando Pimentel (PT-MG), entre outros. A delação premiada dos ex-executivos foi homologada pelo Supremo Tribunal Federal em julho do ano passado. Em relação à empresa que foi dona da aeronave de Campos, políticos do Nordeste são mencionados em depoimentos como beneficiários do esquema mantido pela OAS com essa firma."

 

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247