Barroso desmonta mentira que se alastra pela web

"Cortaram a parte inicial e final do argumento que eu desenvolvia para, assim, criar o engano nos que o assistiram de boa-fé. Aliás, uma das provas de que um argumento está correto é a necessidade de desconstruí-lo com uma falsidade", afirma o ministro do Supremo Tribunal Federal ao desmentir a acusação de que omitiu norma ao proferir seu voto contra o rito do impeachment determinado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha; "O vídeo truncado [divulgado nas redes] procura fazer crer que no meu voto suprimi a leitura da parte final do artigo 188, III do Regimento Interno da Câmara dos Deputados, que fazia menção a 'escrutínio secreto' para as 'demais eleições'", diz o ministro; seu posicionamento abriu divergência ao relator, Edson Fachin, e foi acompanhado pela maioria na corte

"Cortaram a parte inicial e final do argumento que eu desenvolvia para, assim, criar o engano nos que o assistiram de boa-fé. Aliás, uma das provas de que um argumento está correto é a necessidade de desconstruí-lo com uma falsidade", afirma o ministro do Supremo Tribunal Federal ao desmentir a acusação de que omitiu norma ao proferir seu voto contra o rito do impeachment determinado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha; "O vídeo truncado [divulgado nas redes] procura fazer crer que no meu voto suprimi a leitura da parte final do artigo 188, III do Regimento Interno da Câmara dos Deputados, que fazia menção a 'escrutínio secreto' para as 'demais eleições'", diz o ministro; seu posicionamento abriu divergência ao relator, Edson Fachin, e foi acompanhado pela maioria na corte
"Cortaram a parte inicial e final do argumento que eu desenvolvia para, assim, criar o engano nos que o assistiram de boa-fé. Aliás, uma das provas de que um argumento está correto é a necessidade de desconstruí-lo com uma falsidade", afirma o ministro do Supremo Tribunal Federal ao desmentir a acusação de que omitiu norma ao proferir seu voto contra o rito do impeachment determinado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha; "O vídeo truncado [divulgado nas redes] procura fazer crer que no meu voto suprimi a leitura da parte final do artigo 188, III do Regimento Interno da Câmara dos Deputados, que fazia menção a 'escrutínio secreto' para as 'demais eleições'", diz o ministro; seu posicionamento abriu divergência ao relator, Edson Fachin, e foi acompanhado pela maioria na corte (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Marcos de Vasconcellos, do Conjur

A formação da comissão de impeachment na Câmara dos Deputados não é uma eleição, conforme aponta o artigo 33 do Regimento Interno da Casa. Por isso, o Supremo Tribunal Federal não aplicou o artigo 188 do regimento, que trata especificamente de eleições — e de votação secreta. Com essa clareza, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, rebate e desmente as acusações de que omitiu um trecho do artigo quando a corte definiu o rito do impeachment.

Diversos sites, blogs e artigos replicaram a acusação de que Barroso teria omitido o trecho final do artigo 188, que permite votações secretas "para eleição do presidente e demais membros da Mesa Diretora, do presidente e vice-presidentes de Comissões Permanentes e Temporárias, dos membros da Câmara que irão compor a Comissão Representativa do Congresso Nacional e dos 2 (dois) cidadãos que irão integrar o Conselho da República e nas demais eleições". No entanto, em seu voto, ele nem sequer cita o artigo 188, que foi levado ao julgamento pelo ministro Teori Zavascki e considerado não aplicável pela maioria dos ministros.

Maioria do STF acompanhou entendimento de Barroso, de que artigo 188 não se aplica à formação da comissão do impeachment na Câmara. Em texto publicado nesta sexta-feira (1º/1), em seu site pessoal, Barroso explica minuciosamente: "Quando eu estava votando, o ministro Teori pediu um aparte e leu uma passagem do artigo 188, III. Ele supôs que teria aplicação ao caso a parte inicial do dispositivo e a leu, parando ANTES do final, onde se encontrava a locução "nas demais eleições". Enquanto raciocinava para responder a ele (já que o meu voto sequer mencionava o tal dispositivo), li de novo exatamente a mesma passagem que ele havia lido. Antes que eu concluísse o meu raciocínio, o ministro Teori fala: "V. Exa. tem razão". Nessa hora, paro de responder a ele e volto para o meu voto. Simples assim".

Em seu artigo, o ministro critica o uso de um vídeo de seu voto editado de forma truncada, que tem se espalhado pela internet. "Cortaram a parte inicial e final do argumento que eu desenvolvia para, assim, criar o engano nos que o assistiram de boa-fé. Aliás, uma das provas de que um argumento está correto é a necessidade de desconstruí-lo com uma falsidade. O vídeo truncado procura fazer crer que no meu voto suprimi a leitura da parte final do artigo 188, III do Regimento Interno da Câmara dos Deputados, que fazia menção a 'escrutínio secreto' para as 'demais eleições'", acusa o ministro.

Barroso afirma ainda que ao determinar a aplicação das mesmíssimas regras do impeachment do ex-presidente (hoje senador) Fernando Collor ao procedimento em relação à presidente Dilma Rousseff, o "STF preservou a segurança jurídica e o Estado Democrático de Direito". Assim, conclui, se o pedido for aprovado ou rejeitado no Congresso Nacional, "não há mais que se falar em golpe, pois as regras estão claras".

O trecho do voto sem edições pode ser visto no vídeo abaixo.

Clique aqui para ler o artigo publicado por Barroso.
Clique aqui para ler o voto de Barroso na íntegra.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247