Batochio avalia que suspeição deve anular praticamente todos os atos de Moro

O impacto não seria sentido apenas pelo ex-presidente Lula, alvo de perseguição política, mas também por outros alvos do ex-juiz que se tornou ministro de Bolsonaro

José Roberto Batochio
José Roberto Batochio
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O advogado José Roberto Batochio, um dos maiores criminalistas do País, e que integra a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, avalia que a eventual suspeição do ex-juiz Sergio Moro não se aplica apenas ao réu mais notório da Lava Jato. "Batochio avalia que a eventual declaração de suspeição dos atos de Moro enquanto juiz pode repercutir ao menos para condenados que figurem nas mesmas ações penais que o petista", informa o jornalista André Guilherme Vieira, em reportagem publicada no Valor.

“Eu acho que o STF, se acolher a tese de que o juiz que sentenciou era suspeito, portanto inabilitado para fazê-lo do ponto de vista técnico-jurídico, o ato é absolutamente nulo. E, sendo nulo, eu tenho comigo que efetivamente se aproveita a todos os que foram alcançados por essa sentença”, diz Batochio.

Segundo ele, delações homologadas pelo ex-juiz também seriam alcançadas. “Creio que haveria anulação de todos os processos decisórios da lavra do juiz suspeito. E ele homologou as colaborações, decidindo se estavam presentes os requisitos formais exigidos por lei. Ainda que não se trate de decisão sobre o conteúdo dessas colaborações, o fato é que trata-se de uma homologação que tem conteúdo decisório desse magistrado”, afirma.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247