Biogás poderia minimizar apagão no Amapá, aponta estudo entregue a Mourão

O Instituto Escolhas informou que Amapá tem capacidade para gerar 15 milhões de metros cúbicos de biogás por ano, quantidade suficiente para abastecer quase 11.800 residências ou 50 mil pessoas. O estudo foi entregue a Hamilton Mourão. O estado está em crise energética, com 70% da população em racionamento e 30% das cidades sem abastecimento

(Foto: Reprodução | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Instituto Escolhas informou que Amapá tem capacidade para gerar 15 milhões de metros cúbicos de biogás por ano, a partir de resíduos sólidos urbanos e dos rejeitos da piscicultura. A quantidade seria o suficiente para gerar cerca de 31.136 megawatts-hora (MWh) de energia elétrica e abastecer quase 11.800 residências ou 50 mil pessoas. O estado está em crise energética há oito dias e passou cinco dias com apagão total, após uma explosão no linhão de Tucuruí, em que transformadores foram atingidos por raios. Ao todo, 70% da população vive em racionamento e 30% das cidades continuam sem abastecimento.

Em maio, o instituto entregou ao vice-presidente da República, Hamilton Mourão, um estudo mostrando as potencialidades da Região Norte para a produção do biocombustível.

"Os números são ainda conservadores, já que o biogás pode ser produzido também com outras matérias-primas orgânicas. É a transformação do lixo em uma fonte energética, garantindo suprimento local e dando destinação correta aos resíduos", disse o estudo. 

De acordo com a gerente de Projetos e Produtos do Instituto Escolhas, Larissa Rodrigues, "diante do caos energético que vive o Amapá, fica claro que precisamos de um programa de energia para a Amazônia". A entrevista dela foi concedida ao jornal O Estado de S.Paulo.

"São vidas de milhares de pessoas e negócios prejudicados e que poderiam se beneficiar do biogás. Uma fonte de energia local traz segurança à população e pode destravar o potencial de cadeias de valor da bioeconomia", afirmou. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247