Boff: Lula foi castigado por ódio e desumanidade do judiciário

"O jornalista da FSP Josias de Souza fez os cálculos dos presos que puderem sair para assistir ao velório de parentes próximos: 175.325. Lula foi castigado por ódio e desumanidade do judiciário, da PF e mais ainda pelo Ministro Toffoli que excedeu a todos. Que os céus salvem o Brasil", afirmou o teólogo e escritor 

Boff: Lula foi castigado por ódio e desumanidade do judiciário
Boff: Lula foi castigado por ódio e desumanidade do judiciário (Foto: Wilson Dias / ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O teólogo e escritor Leonardo Boff bateu duro no Judiciário, que impediu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de participar do velório do irmão Genival Inácio da Silva, o Vavá, morto, aos 79 anos, vítima de um câncer de pulmão.

"O jornalista da FSP Josias de Souza fez os cálculos dos presos que puderem sair para assistir ao velório de parentes próximos: 175.325. Lula foi castigado por ódio e desumanidade do judiciário, da PF e mais ainda pelo Ministro Toffoli que excedeu a todos. Que os céus salvem o Brasil", afirmou o estudioso no Twitter.

Em seu blog no UOL, o jornalista Josias de Souza afirmou que, de acordo com os arquivos eletrônicos do Departamento Penitenciário Nacional, "no ano da graça de 2015, nada menos que 175.325 detentos deixaram suas celas para sepultar parentes. Ou seja: sonegou-e a Lula um direito, não um privilégio".

Em ofício, o superintendente Luciano Flores alegou "indisponibilidade de transporte aéreo em tempo hábil" para a chegada de Lula a tempo da cerimônia.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247