Boff sobre Venezuela: o caminho a ser evitado é o da violência armada

"Com referência à questão venezuelana penso que o caminho a ser evitado é o da violência armada. Não há guerra justa, nem santa nem humanitária. Toda guerra mata, o que Deus não quer. O caminho é o diálogo incansável, a negociação e a disposição de renúncias mútuas em função da paz", afirmou o teólogo e escritor Leonardo Boff

Boff sobre Venezuela: o caminho a ser evitado é o da violência armada
Boff sobre Venezuela: o caminho a ser evitado é o da violência armada (Foto: Guilherme Santos - Sul 21)

247 - O teólogo e escritor Leonardo Boff criticou as tentativas de intervenção na Venezuela pelos Estados Unidos, que alegam ajuda humanitária para influenciar a economia do país sul-americano e importar petróleo com baixo custo logístico, bem menor do que o comprado no Oriente.

"Com referência à questão venezuelana penso que o caminho a ser evitado é o da violência armada. Não há guerra justa,nem santa nem humanitária. Toda guerra mata, o que Deus não quer. O caminho é o diálogo incansável, a negociação e a disposição de renúncias mútuas em função da paz", escreveu o estudioso no Twitter.

Após o fracasso nas operações deste sábado (23), quando caminhões enviados pelos governos brasileiro e colombiano não cruzaram as fronteiras venezuelanas, o autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, afirmou neste sábado (23) pelo Twitter que não descarta pedir intervenção estrangeira no país.

"Os acontecimentos de hoje me obrigam a tomar uma decisão: sugerir à comunidade internacional de maneira formal que devemos ter abertas todas as opções para conseguir a libertação desta pátria que luta e seguirá lutando", disse.

Questionado pelo jornal Folha de S.Paulo se estava fazendo referência a um possível intervenção militar, Guaidó respondeu: "Eu quis dizer exatamente isso, que devemos considerar todas as opções".

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247