Bolsonaro adia decisão e país continua sem ministro da Educação

Sob pressão dos diferentes grupos de interesse no governo, no quadro de uma luta de bastidores entre setores de extrema direita, evangélicos e militares, Jair Bolsonaro adiou mais uma vez a decisão sobre a nomeação do novo ministro da Educação

MEC
MEC (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Brasil segue há 20 dias sem ministro da Educação. O cargo está vago desde que Abraham Weintraub deixou o governo sob pressão. Enquanto isso, candidatos ao posto se movimentam nos bastidores em busca de apoio político e de entidades educacionais que possam influenciar na escolha de Bolsonaro.

O mais recente cotado é o ex-vice reitor da Universidade Mackenzie, Milton Ribeiro. Pastor presbiteriano em Santos (SP) e doutor em Educação, ele conversou por videoconferência na terça-feira, 7, com Bolsonaro, informa o Estadão. Bolsonaro deu sinais de que ele poderia ser escolhido.  

A sugestão para que ele seja o novo comandante do MEC é atribuída ao ministro-chefe da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira. 

Milton Ribeiro não conta, porém com o apoio de todos os evangélicos. 

Outro cotado é o reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Anderson Correia. Ex presidente da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), ele é membro da Igreja Batista e teria o apoio de parte de militares.

O pastor Silas Malafaia, líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, admite a torcida por Correia, mas diz que para ele não faz diferença que o novo ministro seja evangélico. O religioso tem telefonado ao presidente para passar sua opinião sobre os rumos da Educação no País. “Meu candidato é aquele que seja competente e alinhado ideologicamente com o presidente, seja ele evangélico ou não. Nunca me preocupei com isso”, disse Malafaia ao Estadão.

O líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo, é tido como um "reserva", também com possibilidades de ser designado ministro da Educação. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email