Bolsonaro cogita se filiar a sigla de Valdemar, citado no mensalão

O destino partidário de Jair Bolsonaro (PSC-RJ) para concorrer ao Planalto em 2018 continua indefinido; apesar da expectativa, ele ainda não se filiou ao PEN (Partido Ecológico Nacional), rebatizado de "Patriota" para abrigá-lo; por sugestão de aliados, Bolsonaro ainda espera; segundo seus apoiadores, não está descartada a hipótese de se filiar a um partido que tem as digitais do ex-deputado condenado no mensalão Valdemar da Costa Neto: o Muda Brasil

Bolsonaro e Valdemar
Bolsonaro e Valdemar (Foto: Giuliana Miranda)

247 - Vice-líder na corrida pela Presidência da República —com 16% das intenções de voto, segundo o Datafolha—, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) continua sem endereço partidário.

Em 9 de agosto, após intensos embates internos, ele recebeu do PSC autorização para deixar o partido sem ameaça de perda de mandato.

Mas não se filiou ao PEN (Partido Ecológico Nacional), rebatizado de "Patriota" para abrigá-lo. Por sugestão de aliados, Bolsonaro ainda espera. E, segundo seus apoiadores, não está descartada a hipótese de se filiar a um partido que tem as digitais do ex-deputado condenado no mensalão Valdemar da Costa Neto: o Muda Brasil.

Outra possibilidade à mesa é torcer para que o Supremo Tribunal Federal autorize o lançamento de candidaturas avulsas, sem filiação partidária. A partir desta quarta (4), a proposta entra em pauta no tribunal. Mas são remotas as chances de aprovação.

Apesar de avançadas as negociações com PEN, colaboradores de Bolsonaro insistem para que aguarde o registro do Muda Brasil na expectativa de uma aliança formal com o PR, o que lhe garantiria tempo de pouco mais de dois minutos no horário eleitoral.

As informações são de reportagem de Catia Seabra na Folha de S.Paulo.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247