Bolsonaro defende censura em nome de Jesus Cristo

Bolsonaro defendeu a volta da censura ao país neste sábado, afirmando que não é censura, mas um conjunto de medidas para "preservar os valores cristãos"; o governo Bolsonaro iniciou um movimento de censura e cancelamentos de festivais, seminários e espetáculos em unidades e projetos da Caixa e Banco do Brasil

(Foto: PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Após cancelamentos de espetáculos, seminário e festival de cinema em equipamentos federais, como unidades da Caixa Cultural e do CCBB do Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro afirmou neste sábado que o veto a obras culturais não é "censura", mas uma medida para "preservar os valores cristãos". Algo como uma censura em nome de Jesus. 

Bolsonaro falou sobre o tema ao participar, por videoconferência, de um simpósio conservador realizado em Ribeirão Preto. A transmissão foi feita do Palácio da Alvorada.

Segundo Bolsonaro, "o Brasil mudou" e a censura que seu governo está reinaugurando no país, de maneira similar ao período da dita dura militar é, para ele, algo como uma "proteção" ao povo: "Isso não é censura, isso é preservar os valores cristãos, é tratar com respeito a nossa juventude, reconhecer a família"

O presidente afirmou que serão feitas mudanças na área cultura, citando a Funarte e a Ancine , mas sem detalhar quais as alterações, informou o jornal O Globo

Na sexta-feira, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, demitiu 19 funcionários da Funarte. Todos os funcionários dispensados são integrantes do Centro de Artes Cênicas (Ceacen) , dirigido por Roberto Alvim, que informou que irá recompor a equipe "com pessoas leais ao governo".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247