Bolsonaro defende o fim do ministério da Cultura

Deputado e pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) nega que tenha convidado o ator Alexandre Frota para ser seu ministro da Cultura caso vença as eleições de outubro; "Vamos extinguir o Ministério da Cultura e teremos apenas uma secretaria para tratar do assunto. Hoje em dia, o Ministério da Cultura é apenas um centro de negociações da Lei Rouanet", afirmou

Brasília - Conselho de Ética rejeita processo contra o deputado Jair Bolsonaro por citar Brilhante Ustra (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Brasília - Conselho de Ética rejeita processo contra o deputado Jair Bolsonaro por citar Brilhante Ustra (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil) (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado e pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) negou que tenha convidado o ator Alexandre Frota para ser seu ministro da Cultura caso vença as eleições de outubro. Até porque, disse ele no Twitter, em um eventual governo sua equipe extinguiria a pasta. Segundo Bolsonaro, a área Cultura seria uma secretaria vinculada ao Ministério da Educação.

Nesta quarta-feira 28, Alexandre Frota publicou um vídeo em que Bolsonaro diz: "Se você quer me ver presidente um dia eu quero te ver ministro da Cultura. Já imaginou, cara?".

Nesta quinta, ele criticou notícias que foram na linha de que ele teria convidado Frota para ser ministro: "A mídia age de má fé novamente, agora alegando que defini quem será o Ministro da Cultura baseando-se em um vídeo descontraído. Fake News! Não escolhi ministro da cultura, até porque, chegando lá, nem existirá esse Ministério, será uma secretaria dentro do Ministério da Educação".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247