Bolsonaro descumpre ordem judicial para explicar queimadas na Amazônia e poderá acabar no STF

Jair Bolsonaro não cumpriu o prazo de 72 horas determinado pela Justiça para que apresentasse quais medidas o governo teria adotado para controlar os incêndios na Amazônia e poderá ser alvo de uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) em um processo que pode acabar no Supremo Tribunal Federal (STF). Advogado Carlos Alexandre Klomfahs, que ingressou com a ação popular, também alerta que Bolsonaro teria incorrido em crime de responsabilidade, o que pode levar a um processo de impeachment

(Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro não cumpriu o prazo de 72 horas determinado pela Justiça para que apresentasse quais medidas o governo teria adotado para controlar os incêndios na Amazônia e poderá ser alvo de uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) em um processo que pode acabar no Supremo Tribunal Federal (STF).

“Considerando ser impossível não reconhecer a gravidade da situação humana e ambiental gerada pelos incêndios, julgo oportuno que os réus apresentem, no prazo de 72 horas (reduzido por conta da situação peculiar vivenciada), o real panorama da situação e as correspondentes medidas administrativas que estão sendo adotadas pelo Poder Público para controlar e/ou minimizar os efeitos adversos das queimadas reportadas nos autos”, determinou o juiz federal Rolando Valcir Espanholo, substituto da 21ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal, no último dia 23 de agosto. Segundo reportagem do UOL, a Advocacia Geral da União (AGU alega que o terminará somente às 18h11 deste sábado (31). 

Segundo o advogado Carlos Alexandre Klomfahs, que ingressou com a ação popular, “as 72 horas valem a partir do momento em que a pessoa é notificada, ou seja, toma conhecimento da decisão do juiz”. Ainda conforme o seu entendimento, a desobediência por parte presidente pode ser enquadrada em crime comum e “nesse caso, quem julga é o STF".  Klomfahs também alerta que Bolsonaro teria incorrido em crime de responsabilidade, o que pode levar a um processo de impeachment. "Deixar de atender uma ordem judicial é crime de responsabilidade. Está na Lei do Impeachment [1079/50]", assegura. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email