Bolsonaro lamenta não ter cometido crime contra Lei de Acesso à Informação

Ao dizer que poderia ter eliminado a gravação da reunião ministerial de 22 de abril, Bolsonaro confessa que esteve a prestes de cometer um crime contra a Lei de Acesso à Informação. A destruição de chips com gravações citada por ele é ilegal, segundo ex-ministro da Controladoria-Geral da União

Reunião ministerial de 22 de abril
Reunião ministerial de 22 de abril (Foto: Marcos Correa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Se Jair Bolsonaro tivesse destruído o chip da reunião ministerial de 22 de abril, como disse a apoiadores neste domingo (24), ele teria infringido a Lei de Acesso à Informação. 

A avaliação é de Valdir Simão, ex-ministro da Controladoria-Geral da União. Ele também afirma que causa preocupação a possibilidade de que os registros das demais reuniões estejam sendo eliminados, informa a coluna Painel da Folha de S.Paulo.

O ex-ministro da Controladoria diz que dados reservados são sigilosos por cinco anos, os secretos por 15 anos, e os ultrassecretos por 25 anos, inclusive mensagens de celular. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247