Bolsonaro diz que não vai interferir no preço dos combustíveis: "livre mercado"

"Não existe interferência do governo", disse Jair Bolsonaro, afirmando que "todo mundo reclama do preço do combustível, do gás, da carne, mas o comércio que nós resolvemos adotar foi o livre mercado"

Bolsonaro sobre combustíveis: "livre mercado"
Bolsonaro sobre combustíveis: "livre mercado" (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro voltou a negar nesta segunda-feira (6) que o seu governo pretenda intervir nos preços dos combustíveis, depois da alta no petróleo causada pelo ataque contra o general iraniano Qassem Soleimani em um bombardeio americano, na última sexta-feira.

"Não existe interferência do governo. Não sou intervencionista. Essa política está muito bem conduzida pelo almirante Bento", disse Bolsonaro, se referindo a Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia. Bolsonaro se reuniu com Albuquerque e o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, o diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Décio Oddone, e técnicos do governo, nesta tarde, no Ministério de Minas e Energia.

Segundo Bolsonaro, "os pessimistas" é que acham que o ataque contra o general iraniano vai elevar o preço do petróleo. "Subiu 5%, agora está em 3% (de alta). Dentro do aceitável", disse.

Apesar de minimizar a crise, Bolsonaro reconhece que a alta impactaria a inflação e no preço do frete, mas disse o governo adota o livre mercado.

"Todo mundo reclama do preço do combustível, do gás, da carne, mas o comércio que nós resolvemos adotar foi o livre mercado. A questão da carne já baixou 20%, houve uma sazonalidade. Se nós não botarmos a economia para rodar, voltamos 2, 3 anos", afirmou.

Com informações do O Globo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247