"Bolsonaro governa de forma totalitária", diz subprocuradora aposentada

De acordo com Deborah Duprat, subprocuradora-geral da República aposentada, "Bolsonaro desmontou toda a capacidade de atuação da administração pública federal e a distorceu quanto ao seu principal propósito constitucional: a instituição de políticas públicas voltadas ao enfrentamento da desigualdade e da injustiça social"

Deborah Duprat e Jair Bolsonaro
Deborah Duprat e Jair Bolsonaro (Foto: Pedro França/Agência Senado | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em artigo no jornal Folha de S.Paulo, Deborah Duprat, subprocuradora-geral da República aposentada, afirma ser possível identificar os principais traços do "totalitarismo no governo Jair Bolsonaro: ele pretende totalizar o povo, borrando a distinção constitutiva da democracia entre Estado e sociedade civil; ele postula um povo indistinto, sem fissuras, e assim avança empírica e normativamente sobre a diversidade dos modos de vida existentes na sociedade nacional; e desorganiza a administração pública e confunde o político com a gestão pública".

"São igualmente abundantes os episódios que demonstram ser Bolsonaro o detentor exclusivo de todo o conhecimento. Se alguma área técnica ousa fazer-lhe objeção, é sacrificada", diz.

"No contexto da maior crise sanitária e econômica do país, é ele que prescreve medicamentos, decide sobre vacina e descumpre ostensivamente recomendações para conter a disseminação do vírus. Em meio à pandemia, foram-se dois ministros da Saúde, e o que permanece foi forçado a recuar quando decidiu pela aquisição de todas as vacinas cuja eficácia estivesse comprovada", acrescenta.

De acordo com a subprocuradora, "Bolsonaro desmontou toda a capacidade de atuação da administração pública federal e a distorceu quanto ao seu principal propósito constitucional: a instituição de políticas públicas voltadas ao enfrentamento da desigualdade e da injustiça social". "Bolsonaro governa de forma totalitária e, portanto, antidemocrática e inconstitucional".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email