Boulos: comemorar o golpe de 64 é celebrar a tortura

"Comemorar o golpe de 64 é desrespeitar a memória dos mortos e desaparecidos pela ditadura. É celebrar a tortura. É defender a violência no lugar do debate", afirmou o coordenador nacional do MTST, Guilherme Boulos

Boulos: comemorar o golpe de 64 é celebrar a tortura
Boulos: comemorar o golpe de 64 é celebrar a tortura
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), o filósofo Guilherme Boulos, criticou o presidente Jair Bolsonaro, que sugeriu a quartéis a celebração do aniversário do golpe de 1964 no dia 31 de março.

"Comemorar o golpe de 64 é desrespeitar a memória dos mortos e desaparecidos pela ditadura. É celebrar a tortura. É defender a violência no lugar do debate", escreveu o ativista no Twitter.

O repúdio à iniciativa de Bolsonaro foi tão grande que a hashtag a #ditaduranuncamais chegou a ficar em primeiro lugar dos assuntos mais comentados de rede social.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247