Boulos: comemorar o golpe de 64 é celebrar a tortura

"Comemorar o golpe de 64 é desrespeitar a memória dos mortos e desaparecidos pela ditadura. É celebrar a tortura. É defender a violência no lugar do debate", afirmou o coordenador nacional do MTST, Guilherme Boulos

Boulos: comemorar o golpe de 64 é celebrar a tortura
Boulos: comemorar o golpe de 64 é celebrar a tortura

247 - O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), o filósofo Guilherme Boulos, criticou o presidente Jair Bolsonaro, que sugeriu a quartéis a celebração do aniversário do golpe de 1964 no dia 31 de março.

"Comemorar o golpe de 64 é desrespeitar a memória dos mortos e desaparecidos pela ditadura. É celebrar a tortura. É defender a violência no lugar do debate", escreveu o ativista no Twitter.

O repúdio à iniciativa de Bolsonaro foi tão grande que a hashtag a #ditaduranuncamais chegou a ficar em primeiro lugar dos assuntos mais comentados de rede social.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247