Boulos ironiza: o Partido da Justiça entrou na coligação do PSL

"Desde ontem, 17 ações policiais ordenadas por juízes eleitorais em universidades em 9 estados proibindo até a palavra 'fascismo'. Depois de duas semanas, não há notícia de qualquer apreensão em empresas de disparos no Whatsapp. O Partido da Justiça entrou na coligação do PSL", afirmou o ex-presidenciável Guilherme Boulos (Psol)

Boulos ironiza: o Partido da Justiça entrou na coligação do PSL
Boulos ironiza: o Partido da Justiça entrou na coligação do PSL (Foto: Divulgação)

247 - O ex-presidenciável Guilherme Boulos (Psol) criticou o Judiciário brasileiro por causa das operações em universidades públicas por supostas propagandas eleitorais.

"Desde ontem, 17 ações policiais ordenadas por juízes eleitorais em universidades em 9 estados proibindo até a palavra 'fascismo'. Depois de duas semanas, não há notícia de qualquer apreensão em empresas de disparos no Whatsapp. O Partido da Justiça entrou na coligação do PSL", afirmou o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

Ao citar os disparos no WhatsApp, Boulos fez referência à campanha ilegal contra o PT financiada por empresas apoiadoras de Jair Bolsonaro (PSL) e que se baseia na divulgação de fake-news (notícias falsas) no aplicativo, conforme denunciou uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo. A matéria apontou, ainda, que cada contrato chega a R$ 12 milhões e, entre as empresas compradoras, está a Havan. 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247