Boulos prega unidade contra retrocessos

Em nota, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), coordenado por Guilherme Boulos, critica a caçada judicial contra o ex-presidente Lula e defende o direito de sua candidatura presidencial; "O MTST se coloca na luta em defesa do direito de Lula ser candidato. Trata-se de defender a democracia contra mais um passo do golpe, até porque esse julgamento tem se demonstrado profundamente anti-democrático, baseado mais em certas convicções do que em provas concretas. Por isso estaremos em Porto Alegre no dia 24 de janeiro construindo as manifestações", diz o MTST

Em nota, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), coordenado por Guilherme Boulos, critica a caçada judicial contra o ex-presidente Lula e defende o direito de sua candidatura presidencial; "O MTST se coloca na luta em defesa do direito de Lula ser candidato. Trata-se de defender a democracia contra mais um passo do golpe, até porque esse julgamento tem se demonstrado profundamente anti-democrático, baseado mais em certas convicções do que em provas concretas. Por isso estaremos em Porto Alegre no dia 24 de janeiro construindo as manifestações", diz o MTST
Em nota, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), coordenado por Guilherme Boulos, critica a caçada judicial contra o ex-presidente Lula e defende o direito de sua candidatura presidencial; "O MTST se coloca na luta em defesa do direito de Lula ser candidato. Trata-se de defender a democracia contra mais um passo do golpe, até porque esse julgamento tem se demonstrado profundamente anti-democrático, baseado mais em certas convicções do que em provas concretas. Por isso estaremos em Porto Alegre no dia 24 de janeiro construindo as manifestações", diz o MTST (Foto: Aquiles Lins)

247 - O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) divulgou nota em que defende a unidade das forças populares contra os retrocessos e em defesa da democracia. 

Coordenado pelo filósofo Guilherme Boulos, o MTST critica a caçada judicial contra o ex-presidente Lula e defende o direito de sua candidatura presidencial.

"O MTST se coloca na luta em defesa do direito de Lula ser candidato. Trata-se de defender a democracia contra mais um passo do golpe, até porque esse julgamento tem se demonstrado profundamente anti-democrático, baseado mais em certas convicções do que em provas concretas. Por isso estaremos em Porto Alegre no dia 24 de janeiro construindo as manifestações", diz a nota. 

O MTST também se manifestou sobre o convite do PSOL a uma candidatura presidencial de Guilherme Boulos. 

Leia, abaixo, a nota na íntegra:

NOTA DE FIM DE ANO DO MTST

Unidade contra os retrocessos e em defesa da Democracia 

O ano de 2017 marcou o aprofundamento do golpe no Brasil. Cortes de programas sociais, perdão de dívidas dos ruralistas, venda do Pré-Sal, isenção de impostos para petroleiras multinacionais, mudanças na legislação ambiental. Enfim, o cardápio de retrocessos de Temer foi variado.

O ponto mais grave foi a aprovação da Reforma Trabalhista, proposta que foi propagandeada como um mal necessário para recuperar a geração de empregos e mostrou suas consequências já no primeiro mês de aplicação: 12,3 mil vagas formais fechadas no Brasil.

É claro que todos esses ataques enfrentaram resistência, especialmente no primeiro semestre. Em abril, o povo se mobilizou em todo país construindo a maior Greve Geral dos últimos anos, com 35 milhões de brasileiros em paralisação. No dia 24 de maio, 200 mil pessoas ocuparam Brasília. O MTST também esteve presente nas mobilizações e iniciou o ano com uma ocupação de 22 dias na Av Paulista pela retomada do programa Minha Casa Minha Vida Entidades. Organizamos também grandes ocupações nas periferias, a exemplo da Povo Sem Medo em São Bernardo do Campo.

O ano de 2018 se aproxima com o anúncio de novos retrocessos. O governo Temer já programou a votação de Reforma da Previdência para fevereiro. Precisaremos novamente de muita unidade para a construção de mobilizações e paralisações.

Além disso, enquanto as discussões a respeito do Sistema Parlamentarista ou Semi-Presidencialista crescem em Brasília, o julgamento do ex-presidente Lula no TRF-4 em Porto Alegre foi marcado em tempo recorde, numa tentativa clara de retirá-lo da disputa presidencial no tapetão.

O MTST se coloca na luta em defesa do direito de Lula ser candidato. Trata-se de defender a democracia contra mais um passo do golpe, até porque esse julgamento tem se demonstrado profundamente anti-democrático, baseado mais em certas convicções do que em provas concretas. Por isso estaremos em Porto Alegre no dia 24 de janeiro construindo as manifestações.

A antecipação do debate eleitoral de 2018 tem sido tema de inúmeras discussões no campo dae esquerda. A coordenação do MTST tem debatido o convite feito pelo PSOL a Guilherme Boulos, para a disputa presidencial, com serenidade e respeitando os tempos da construção coletiva. Esta possibilidade, aliás, surgiu do acúmulo social e organizativo do MTST e de debates amplos como os promovidos pela plataforma Vamos, que desde sua origem busca construir a mais ampla unidade entre a esquerda.

Colocaremos nossa posição tão logo essa discussão se conclua internamente e junto com companheiros do PSOL. Neste momento, porém, acreditamos que toda a esquerda deve se unir mais uma vez na luta por direitos e em defesa da democracia.  

“Os caídos que se levantem!
Os que estão perdidos que lutem!
Quem reconhece a situação como pode calar-se?
Os vencidos de agora serão os vencedores de amanhã.
E o "hoje" nascerá do "jamais".”

Bertold Brecht – O elogio da dialética

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247