Brasil abandonou liderança da América do Sul para se alinhar aos EUA, diz pesquisadora

“Até pouco tempo [o Brasil] era o líder da região que lutava para construir uma unidade entre os países em desenvolvimento […]. Após o golpe de Estado no Brasil, este país abandonou totalmente suas pretensões de ser o líder do sul”, disse a pesquisadora norte-americana Deborah James; ela acredita que o Brasil abriu mão de liderar a América do Sul em discussões comerciais, se afastando do Mercosul e se alinhando com ênfase aos interesses dos Estados Unidos

Temer e Trump
Temer e Trump (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Sputnik Brasil

Especialista na área econômica, a pesquisadora norte-americana Deborah James acredita que o Brasil abriu mão de liderar a América do Sul em discussões comerciais, se afastando do Mercosul e se alinhando com ênfase aos interesses dos Estados Unidos.

“Até pouco tempo [o Brasil] era o líder da região que lutava para construir uma unidade entre os países em desenvolvimento […]. Após o golpe de Estado no Brasil, este país abandonou totalmente suas pretensões de ser o líder do sul”, disse a pesquisadora, que integra o Centro de Investigação em Economia e Política (CEPR) e coordena a Rede Mundial Nosso Mundo Não Está à Venda.

A mudança de postura brasileira teria acontecido a partir de setembro de 2013, quando o ex-embaixador Roberto Azêvedo assumiu o posto de diretor-geral da OMC. Dali em diante o governo do Brasil passou a ser um aliado próximo dos EUA, deixando de lutar contra os subsídios de países ricos aos seus produtores agrícolas.

“A posição do Brasil na OMC é contra as necessidades de todos os famintos, mas também os países do sul do mundo. Está tão alinhado com os Estados Unidos que deixou de ser alinhado com o Mercosul e com a sua própria população”, completou Deborah.

No encontro de dezembro em Buenos Aires, a pesquisadora acredita que os gigantes tecnológicos do Vale do Silício, como Google, Apple, Facebook, Amazon e Microsoft pressionarão por novas regras para a economia digital, ainda com áreas não regulamentadas na economia global.

Rússia apresenta queixa na OMC contra as sanções aplicadas pela Ucrânia
“O comércio eletrônico que propõe a OMC é um perigo para os países em desenvolvimento […]. Temos que ter um sistema internacional que discipline as corporações através do comércio em favor do desenvolvimento sustentável, dos direitos humanos, incluindo os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, e ao meio ambiente”, comentou.

Para a pesquisadora, os países em desenvolvimento precisam se unir, a fim de evitar que os dividendos produzidos por um crescente comércio digital fique restrito a um pequeno grupo de empresas transnacionais, sem trazer o devido desenvolvimento e sem diminuir a desigualdade.

“A coisa mais importante é exigir uma mudança na OMC. Em outras palavras: transformar, alterar as regras existentes, especialmente em questões agrícolas e de desenvolvimento. Devemos nos opor à expansão da OMC e de forma concreta à inclusão de novos temas, como o comércio eletrônico”, concluiu.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247