Brasil perde maior referência na área trabalhista

Morreu nesta segunda-feira, aos 95 anos, o jurista Arnaldo Sussekind, que participou da criação da CLT

Brasil perde maior referência na área trabalhista
Brasil perde maior referência na área trabalhista (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil – O jurista Arnaldo Lopes Sussekind morreu na manhã de hoje (9), dia em que completaria 95 anos de idade. Süssekind morreu em consequência de uma insuficiência respiratória, seguida de uma parada cardiorrespiratória, segundo informações do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) do Rio de Janeiro.

O jurista integrou a comissão nomeada por Getúlio Vargas para elaborar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), em 1942, além de ter sido, durante o governo de Castello Branco, ministro da Agricultura (1964) e do Trabalho e Previdência Social (de 1964 a 1965).

Süssekind foi ainda ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) por seis anos, até 1971, e seu nome batiza o prédio da sede do TRT do Rio. O velório será realizado no Centro Cultural do TRT, na Avenida Presidente Antonio Carlos, no centro da cidade.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247