Breno Altman: eleição de 2022 não é programática, mas plebiscitária

Jornalista analisa 'Diretrizes Programáticas' da chapa Lula-Alckmin, afirmando se tratar de 'caminho cauteloso' para manter e ampliar frente contra Bolsonaro; veja vídeo na íntegra

www.brasil247.com - Breno Altman, Lula e Bolsonaro
Breno Altman, Lula e Bolsonaro (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247 | Ricardo Stuckert | ABr)


Opera Mundi - O Brasil caminha na direção de uma eleição presidencial plebiscitária, avaliou o jornalista Breno Altman ao comentar o programa da chapa Lula-Alckmin no programa 20 MINUTOS ANÁLISE desta terça-feira (28/06). 

Para ele, as pesquisas que dão ampla margem de vantagem a Lula demonstram que o sentimento dominante na maioria do povo é o de protesto: “há uma onda poderosa na opinião pública contra [Jair] Bolsonaro, atraída pela negação de tudo que representa o ex-capitão, e não especialmente por um rumo programático. Essa é uma eleição plebiscitária, mais do que programática”.

Essa tendência seria uma de várias motivações para o tom cauteloso adotado no documento lançado em 21 de junho em nome da coalizão de sete partidos (PT, PSB, PSOL, PCdoB, PV, Rede e Solidariedade), em torno da candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva e de Geraldo Alckmin.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Altman definiu essa tática como de retranca e recorreu ao futebol para interpretá-la: "é menos Telê Santana, mais Carlos Alberto Parreira. Menos seleção de 1982, que poderia ter vencido com um jogo ofensivo e vistoso, mas perdeu, e mais seleção de 1994, de futebol feio e retrancado, mas vitoriosa”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por ora, segundo o fundador de Opera Mundi, predomina a lógica de reduzir riscos, evitar armadilhas e escapar de qualquer polêmica que possa inibir a equação ‘Fora Bolsonaro, Lula presidente’. 

“É um programa de um só ponto, suficiente para unir uma maioria contra o atual presidente”, diz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mesmo na retranca, o documento “Diretrizes Programáticas” gerou grande repercussão nos meios de comunicação e provocou diversos movimentos na sociedade. Para a maioria dos que se opõem ao governo Bolsonaro, as propostas foram acolhidas de maneira positiva por demarcar terreno em duas questões vitais: a defesa da democracia e a superação do quadro social de miséria do Brasil atual. 

Os bolsonaristas, por outro lado, atacaram o alinhamento em favor de um Estado mais forte capaz de enfrentar a desigualdade de renda e a concentração de riqueza no país.

“Simplesmente não aceitam o abandono do modelo neoliberal e despendem a continuidade de políticas amigáveis à acumulação capitalista desenfreada, de austeridade fiscal, privatizações, desregulamentações e subordinação aos centros hegemônicos do capitalismo mundial”, afirmou Altman. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda que o documento seja genérico e cauteloso na apresentação das diretrizes, seu sentido é progressista, baseado em distribuição de renda, riqueza e poder, na opinião Altman, sublinhando que a única medida prática de relevo mencionada nas “Diretrizes Programáticas” é a revogação do teto de gastos estabelecido pela Emenda Constitucional 95. 

Compromissos do programa

As diretrizes lançadas se restringem a apresentar, de forma moderada, os compromissos com a retomada dos princípios constitucionais e seu alargamento. Para Altman, o mal-estar da burguesia brasileira com o documento se evidenciou, mesmo que tenham sido evitados pontos como a revogação da reforma previdenciária e da independência do Banco Central.

No caso concreto, isso significa deixar para uma segunda etapa o enfrentamento ao neoliberalismo, depois da eventual eleição e posse de Lula. A estratégia atual tem se circunscrito no objetivo de derrotar Bolsonaro, sem debates ou audácias maiores sobre o que colocar no lugar das políticas bolsonaristas, pelas quais votaram vários dos atuais aliados de Lula.

Altman recorda que tampouco são tocadas no documento questões centrais do autoritarismo, como a tutela militar sobre o Estado, a formação reacionária das forças armadas e os seis mil militares incrustados no serviço público com duplo salário.

De acordo com o jornalista, há um senso comum de que programa detalhado atrapalha quem está na dianteira em pesquisas, por estender o leque de chances a serem exploradas pelos adversários. Mas essa não é uma verdade absoluta. “Muitas vezes, ter propostas impactantes e estruturais pode trazer mais votos e apoios do que compromissos e tensões, ainda que gerando maior polêmica”, analisa.

Essa configuração tem criado uma situação bastante rara, de os pronunciamentos do candidato Lula soarem mais fortes e contundentes do que as diretrizes apresentadas pela coalizão. “É como se estivesse sendo invertida uma tradição de esquerda nos processos eleitorais em democracias liberais, de que o programa representa o máximo que pode ser feito e o governo sempre fica abaixo desse sarrafo, por vezes tão abaixo que pratica verdadeiro estelionato eleitoral”, interpreta. 

“Trata-se de uma opção com forte potencial de inserção nas classes trabalhadoras, como demonstram as pesquisas, e de rejeição entre os segmentos mais ricos”, conclui o jornalista.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email