Bruno Araújo e Imbassahy se licenciarão para tentar salvar Temer

Deputados federais licenciados, os ministros Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Bruno Araújo (Cidades) vão se licenciar de seus respectivos cargos para tentar salvar Michel Temer da abertura de investigação que pode culminar na sua saída da presidência; os tucanos vão retomar seus mandatos na Câmara para votar contra a investigação no plenário, cuja votação está prevista para acontecer no dia 2 próximo

Deputados federais licenciados, os ministros Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Bruno Araújo (Cidades) vão se licenciar de seus respectivos cargos para tentar salvar Michel Temer da abertura de investigação que pode culminar na sua saída da presidência; os tucanos vão retomar seus mandatos na Câmara para votar contra a investigação no plenário, cuja votação está prevista para acontecer no dia 2 próximo
Deputados federais licenciados, os ministros Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Bruno Araújo (Cidades) vão se licenciar de seus respectivos cargos para tentar salvar Michel Temer da abertura de investigação que pode culminar na sua saída da presidência; os tucanos vão retomar seus mandatos na Câmara para votar contra a investigação no plenário, cuja votação está prevista para acontecer no dia 2 próximo (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Deputados federais licenciados, os ministros Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo) e Bruno Araújo (Cidades) vão se licenciar de seus respectivos cargos para tentar salvar Michel Temer da abertura de investigação pelo Supremo Tribunal Federal sobre a denúncia de corrupção passiva feita pela Procuradoria Geral da República (PGR).

Os ministros vão retomar seus mandatos na Câmara dos Deputados para votar contra a investigação no plenário, cuja votação está prevista para acontecer no dia 2 próximo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247