Câmara quer explicações sobre venda da refinaria Landulpho Alves pela Petrobras

Comissão de Fiscalização Financeira e Controle aprova requerimento convidando o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, a explicar por que a refinaria foi repassada pela metade do preço estipulado pela própria empresa. TCU também vai analisar o caso

Privatização das refinarias pode aumentar valor do combustível, refletindo em alimentos e transporte
Privatização das refinarias pode aumentar valor do combustível, refletindo em alimentos e transporte (Foto: ago.2012)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rede Brasil Atual - O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, foi chamado pela Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC) da Câmara dos Deputados para dar explicações sobre a venda da Landulpho Alves (RLAM), refinaria da estatal na Bahia. O negócio, que também está na mira do Tribunal da Contas da União (TCU), está sob suspeita pois foi fechado por cerca da metade do valor que a própria companhia havia definido.

A intenção é que Castello Branco seja ouvido em audiência pública, ainda sem data definida, proposta pelo deputado Jorge Solla (PT-BA). O convite foi estendido a Deyvid Bacelar, coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP), e a representantes do TCU, da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet) e da Associação Nacional dos Acionistas Minoritários da Petrobras (Anapetro). Como é um convite, e não uma convocação, não há a obrigação de comparecimento.

A venda da Refinaria Landulpho Alves para o fundo de investimento Mubadala foi confirmada no final de março pelo valor de US$ 1,65 bilhão. A própria Petrobras havia definido preço de US$ 3,04 bilhões. “Até a turma da XP Investimentos, que quer privatizar tudo, viu que tem coisa errada aí. O presidente da Petrobras foi questionado sobre essa venda pelos engenheiros e funcionários da Petrobras, e sua carta com esclarecimentos deixou mais dúvidas do que resposta. Metade do valor é um deságio que não faz absoluto sentido”, disse Solla.

“Sempre fomos contra essa venda por concepção, por entender que nossas refinarias garantem nossa soberania energética nacional. Vendê-las é render o país a essa política de preços estúpida, em que conseguimos extrair e refinar petróleo muito barato. Mas na bomba o consumidor paga o mesmo preço que se paga em Nova York ou em Londres, em dólar, quando nossa renda é em real. Isso quebra qualquer país”, complementou Solla.

TCU também de olho

O Tribunal de Contas da União (TCU) também quer explicações sobre a venda da Refinaria Landulpho Alves (RLAM). Após denúncia do Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA), o colegiado vai analisar o caso e emitir um parecer. A denúncia pede a suspensão imediata do negócio.

Os petroleiros também entraram com ação popular na Justiça Federal da Bahia contra a venda. Nessa ação, são apoiados pelos senadores Jaques Wagner (PT-BA), ex-governador da Bahia, e Otto Alencar (PSB-BA), atual presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email