Câmara vai abrir debate sobre reforma política que pode alterar cláusula de barreira

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, criará grupos para debater a lei eleitoral. Discussão pode favorecer alteração da cláusula de barreira

Plenário da Câmara dos Deputados
Plenário da Câmara dos Deputados (Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente da Câmara, Arthur Lira, anunciou que instalará comissões para criar novo código eleitoral e promover reforma política. Abre-se uma possibilidade de atender a reivindicação de diversos partidos de alterar a cláusula de barreira, que ameaça diversas legendas na eleição de 2022. 

A criação de federações partidárias e o modelo do “distritão”, em que são eleitos os mais votados nos estados para o Congresso, também estão entre os temas que devem ser analisados, segundo o Painel da Folha de S.Paulo.

As mudanças precisam ser aprovadas até outubro para poderem vigorar nas eleições do próximo ano. O tema das federações como o do "distritão" já foram discutidos pela Câmara no âmbito de uma reforma política e foram rejeitadas em 2017. Começa a se tornar corrente entre parlamentares a opinião de que é preciso revisar o atual sistema para torná-lo mais viável.

O presidente do MDB, Baleia Rossi (SP), defende que sejam autorizadas as federações partidárias, isto é, a chance de siglas se unirem para disputar eleições proporcionais. Integrantes de legendas de esquerda, como o PCdoB, também defendem. Seria uma forma de compensar a extinção das coligações.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email