Campanha eleitoral terá metade do tempo em 2016

De acordo com as novas regras das eleições municipais, previstas na Reforma Eleitoral 2015, o tempo da campanha eleitoral será reduzido de 90 para 45 dias, começando em 16 de agosto; o período de propaganda dos candidatos no rádio e na TV também foi diminuído de 45 para 35 dias; estará proibido ainda, no pleito deste ano, o financiamento eleitoral por pessoas jurídicas

De acordo com as novas regras das eleições municipais, previstas na Reforma Eleitoral 2015, o tempo da campanha eleitoral será reduzido de 90 para 45 dias, começando em 16 de agosto; o período de propaganda dos candidatos no rádio e na TV também foi diminuído de 45 para 35 dias; estará proibido ainda, no pleito deste ano, o financiamento eleitoral por pessoas jurídicas
De acordo com as novas regras das eleições municipais, previstas na Reforma Eleitoral 2015, o tempo da campanha eleitoral será reduzido de 90 para 45 dias, começando em 16 de agosto; o período de propaganda dos candidatos no rádio e na TV também foi diminuído de 45 para 35 dias; estará proibido ainda, no pleito deste ano, o financiamento eleitoral por pessoas jurídicas (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O tempo da campanha eleitoral das eleições municipais de 2015 será reduzido de 90 para 45 dias, começando em 16 de agosto, de acordo com as novas regras previstas na Reforma Eleitoral 2015. O período de propaganda dos candidatos no rádio e na TV também foi diminuído de 45 para 35 dias.

Também estará proibido o financiamento eleitoral por pessoas jurídicas no pleito desse ano. Dessa forma, as campanhas serão financiadas exclusivamente por doações de pessoas físicas e pelos recursos do Fundo Partidário, conforme decidiu o Supremo Tribunal Federal (STF) em 2015.

Confira abaixo as novas regras:

A Lei nº 13.165/2015, conhecida como Reforma Eleitoral 2015, promoveu importantes alterações nas regras das eleições deste ano ao introduzir mudanças nas Leis n° 9.504/1997 (Lei das Eleições), nº 9.096/1995 (Lei dos Partidos Políticos) e nº 4.737/1965 (Código Eleitoral).

Além de mudanças nos prazos para as convenções partidárias, filiação partidária e no tempo de campanha eleitoral, que foi reduzido, está proibido o financiamento eleitoral por pessoas jurídicas. Na prática, isso significa que as campanhas eleitorais deste ano serão financiadas exclusivamente por doações de pessoas físicas e pelos recursos do Fundo Partidário. Antes da aprovação da reforma, o Supremo Tribunal Federal (STF) já havia decidido pela inconstitucionalidade das doações de empresas a partidos e candidatos.

Outra mudança promovida pela Lei nº 13.165/2015 corresponde à alteração no prazo de filiação partidária. Quem quiser disputar as eleições em 2016 precisa filiar-se a um partido político até o dia 2 de abril, ou seja, seis meses antes da data do primeiro turno das eleições, que será realizado no dia 2 de outubro. Pela regra anterior, para disputar uma eleição, o cidadão precisava estar filiado a um partido político um ano antes do pleito.

Nas eleições deste ano, os políticos poderão se apresentar como pré-candidatos sem que isso configure propaganda eleitoral antecipada, mas desde que não haja pedido explícito de voto. A nova regra está prevista na Reforma Eleitoral 2015, que também permite que os pré-candidatos divulguem posições pessoais sobre questões políticas e possam ter suas qualidades exaltadas, inclusive em redes sociais ou em eventos com cobertura da imprensa.

A data de realização das convenções para a escolha dos candidatos pelos partidos e para deliberação sobre coligações também mudou. Agora, as convenções devem acontecer de 20 de julho a 5 de agosto de 2016. O prazo antigo determinava que as convenções partidárias deveriam ocorrer de 10 a 30 de junho do ano da eleição.

Outra alteração diz respeito ao prazo para registro de candidatos pelos partidos políticos e coligações nos cartórios, o que deve ocorrer até às 19h do dia 15 de agosto de 2016. A regra anterior estipulava que esse prazo terminava às 19h do dia 5 de julho.

A reforma também reduziu o tempo da campanha eleitoral de 90 para 45 dias, começando em 16 de agosto. O período de propaganda dos candidatos no rádio e na TV também foi diminuído de 45 para 35 dias, com início em 26 de agosto, no primeiro turno. Assim, a campanha terá dois blocos no rádio e dois na televisão com 10 minutos cada. Além dos blocos, os partidos terão direito a 70 minutos diários em inserções, que serão distribuídos entre os candidatos a prefeito (60%) e vereadores (40%). Em 2016, essas inserções somente poderão ser de 30 ou 60 segundos cada uma.

Do total do tempo de propaganda, 90% serão distribuídos proporcionalmente ao número de representantes que os partidos tenham na Câmara Federal. Os 10% restantes serão distribuídos igualitariamente. No caso de haver aliança entre legendas nas eleições majoritárias será considerada a soma dos deputados federais filiados aos seis maiores partidos da coligação. Em se tratando de coligações para as eleições proporcionais, o tempo de propaganda será o resultado da soma do número de representantes de todos os partidos.

Por fim, a nova redação do caput do artigo 46 da Lei nº 9.504/1997, introduzida pela reforma eleitoral deste ano, passou a assegurar a participação em debates de candidatos dos partidos com representação superior a nove deputados federais e facultada a dos demais.

Confira aqui a íntegra da Lei nº 13.165/2015.

Ascom/TSE

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247