Caos sanitário: Manaus tem apagão em emergências e corpo de vítima de Covid-19 sem identificação

Capital do Amazonas já está em colapso por conta da pandemia. Corpos começam a ficar sem identificação e o atendimento na emergência não dá conta do números de infectados, cada vez maior

(Foto: Amazônia Real)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Manaus é uma cidade conflagrada pelo caos sanitário. Vídeos são postados nas redes sociais documentando o colapso do atendimento nas emergência e o acúmulo de corpos nos hospitais.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo relata o drama dos manauaras: "na tarde de sexta (17), João foi ao hospital Vinte e Oito de Agosto, em Manaus, retirar o corpo de sua mãe, morta aos 69 anos após contrair o novo coronavírus.​ Porém, ao chegar ao local com os documentos solicitados por telefone, não encontravam o corpo de sua mãe. Ana (nomes fictícios estão sendo usados a pedido da família) deu entrada no hospital no último dia 5, ficou dois dias na enfermaria e, com o quadro de pneumonia intensificado, foi levada à UTI. O teste para Covid-19 realizado no local deu positivo. Ela morreu nesta sexta."

A matéria ainda destaca que "neste sábado (18), circulam pela internet ao menos três vídeos gravados por moradores de Manaus em que pacientes estão em pronto-socorros e não há médicos ou enfermeiros para atendê-los (...) Em um deles, uma família chega com um paciente com falta de ar e ninguém aparece à área de atendimento da emergência. As pessoas passam então a gritar e a bater nas portas. Uma funcionária aparece, mas logo em seguida volta para trás da porta."

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247