Cardozo: não há ato ilícito ligado a Graça Foster

"Da minha parte é fundamental dizer o seguinte: atos ilícitos devem ser apurados. Relativamente à presidenta da Petrobras, não há nenhum ato ilícito que possa implicar qualquer juízo de valor", defendeu o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo

José Eduardo Cardozo
José Eduardo Cardozo (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ivan Richard - Repórter da Agência Brasil

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, voltou a afirmar hoje (16) que não existem "indicadores objetivos" que liguem a presidenta da Petrobras, Graça Foster, a irregularidades investigadas na Operação Lava Jato, da Polícia Federal. O ministro disse, no entanto, que a permanência de Graça Foster à frente da estatal depende de uma avaliação de governo.

"Da minha parte é fundamental dizer o seguinte: atos ilícitos devem ser apurados. Relativamente à presidenta da Petrobras, não há nenhum ato ilícito que possa implicar qualquer juízo de valor. A partir daí, qualquer cargo no governo, tanto o meu, como o de qualquer ministro, qualquer dirigente de estatal fica, evidentemente, a critério da avaliação do próprio governo", disse Cardozo após cerimônia de entrega do Prêmio Innovare, em Brasília.

Perguntado sobre reportagem do jornal Valor Econômico, em que a geóloga da Petrobras Venina Velosa da Fonseca diz ter informado Graça Foster sobre irregularidades na companhia antes de a Polícia Federal deflagrar a Lava Jato, Cardozo defendeu a apuração dos fatos e a punição de envolvidos.

"Já falei que relativamente à direção da Petrobras não temos efetivamente indicadores objetivos de práticas ilícitas e nada tenho mais a acrescentar sobre o assunto. Acho que as investigações devem continuar, o governo tem a posição muito clara pelas investigações e aqueles que praticaram atos ilícitos devem ser punidos", disse o ministro.

Em nota divulgada na última sexta-feira (12), a Petrobras informou que tomou todas as providências para elucidar os fatos citados na reportagem do jornal Valor Econômico. Segundo a empresa, "não procede a afirmação de que não houve apuração por parte da companhia" em nenhum dos casos citados por Venina Velosa da Fonseca.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247