Cardozo rebate Aécio: acusação "inaceitável"

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, rebateu as acusações do senador Aécio Neves (PSDB-MG) de que o governo atuou para incluir nomes da oposição na lista de investigados por participação na esquema de corrupção na Petrobras; "Posso afirmar em alto e bom som: se, no passado, governos agiam dessa maneira, não nos meçam por réguas antigas, pelo que já foi", afirmou

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, rebateu as acusações do senador Aécio Neves (PSDB-MG) de que o governo atuou para incluir nomes da oposição na lista de investigados por participação na esquema de corrupção na Petrobras; "Posso afirmar em alto e bom som: se, no passado, governos agiam dessa maneira, não nos meçam por réguas antigas, pelo que já foi", afirmou
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, rebateu as acusações do senador Aécio Neves (PSDB-MG) de que o governo atuou para incluir nomes da oposição na lista de investigados por participação na esquema de corrupção na Petrobras; "Posso afirmar em alto e bom som: se, no passado, governos agiam dessa maneira, não nos meçam por réguas antigas, pelo que já foi", afirmou (Foto: Valter Lima)

247 - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, rebateu as acusações do senador Aécio Neves (PSDB-MG) de que o governo atuou para incluir nomes da oposição na lista de investigados por participação na esquema de corrupção na Petrobras.

Ele disse que repudia as declarações feitas "por parlamentares da oposição". "É inaceitável. Posso afirmar em alto e bom som: se, no passado, governos agiam dessa maneira, não nos meçam por réguas antigas, pelo que já foi", afirmou.

Cardozo também alfinetou o senador por ter se pronunciado sobre algo que ainda não foi divulgado oficialmente. "Se alguém comemora antes de ter ciência pública, tem que explicar por que comemora".

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247