Cármen Lúcia pode ter de dar voto de minerva sobre ensino religioso

A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, pode precisar dar o voto de minerva sobre a questão do ensino religioso nas escolas públicas do Brasil; o placar na corte deve acabar empatado;  ela estudou em escola religiosa e dá aula na PUC-MG; a proximidade com a Igreja deixa dúvida sobre a posição que pode tomar -há apostas para os dois lados

Cármen Lúcia
Cármen Lúcia (Foto: Giuliana Miranda)

247 - A votação sobre o ensino religioso nas escolas públicas do Brasil pode chegar a um empate que obrigará a ministra Cármen Lúcia, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), a dar o voto de minerva sobre o tema.

O ministro Marco Aurélio Mello, tido por alguns colegas como voto a favor do ensino religioso confessional, deve na verdade votar contra. Ao relatar uma outra ação, que permitiu o aborto de feto anencéfalo, Mello fez um contundente discurso pela laicidade do Estado.

Se o voto dele e de Celso de Mello contra o ensino religioso confessional se confirmarem, restará o voto de Cármen. Ela estudou em escola religiosa e dá aula na PUC-MG. A proximidade com a Igreja deixa dúvida sobre a posição que pode tomar -há apostas para os dois lados.

As informações são da coluna de Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247