Cartas a um pai na prisão - As lágrimas de Miruna Genoíno

Filha do ex-deputado José Genoino, fundador do PT, denuncia suposto pensamento único inquisitório sem direito à defesa dos conglomerados de comunicação; "A minha família foi massacrada diariamente, de forma imparcial e violenta, - mau jornalismo - pelos conglomerados de comunicação", diz a jovem, que acaba de lançar o livro "Felicidade Fechada", sobre este momento na vida da família; "O presídio da Papuda, em Brasília, oferecia condições piores do que as penitenciárias da ditadura civil e militar", relata ao jornalista Renato Dias

miruna
miruna (Foto: Gisele Federicce)

Por Renato Dias, do Diário da Manhã

- O presídio da Papuda, em Brasília, oferecia condições piores do que as penitenciárias da ditadura civil e militar.

É o que narra a pedagoga Miruna Kayano Genoíno, 36 anos de idade, filha do ex-guerrilheiro preso nas selvas, em abril de 1972, no Araguaia, conflito organizado pelo PC do B, sob inspiração das ideias de Mao-Tsé-tung, preso por cinco anos e que depois virou deputado federal, presidente nacional do PT e condenado pelo Supremo Tribunal Federal, Ação Penal 470.

- Um preso comum é quem aferia a pressão diária do hipertenso, com grave cardiopatia, José Genoíno Neto.

Quadro clínico

Emocionada, ela narra, em detalhes, em forma de cartas que o velho socialista hoje moderado não podia responder, para a tristeza de sua alma, e que ele estava em processo de recuperação da cirurgia de dissecção da Aorta, além do micro Acidente Vascular Cerebral [AVC] a que havia sofrido. Doente, o condenado tomava uma série de medicamentos todos os dias, frisa.

- A minha família foi massacrada diariamente, de forma imparcial e violenta, - do mau jornalismo - pelos conglomerados de comunicação no Brasil.

Miruna Genoíno relata, sem medo, que a mídia, no País, criou uma narrativa única de conde¬nação. Não ouviu a versão dos acusados, os argumentos da defesa, explica. O jeito de superar isso foi buscar não assumir jamais a postura de vergonha ou receio, observa, em tom de indig¬nação. Contra os podres poderes, diria Caetano Veloso, ícone da MPB exilado em Londres, Inglaterra.

- Vamos seguir lutando por justiça sempre.

Outro lado

Esse é o outro lado da História, pontua. Um retrato por dentro de como se vive as dificuldades, sublinha. Processos – Kafkianos? – que buscam atropelar o humano, define. As cartas são o eixo central, expõe. Apesar disso, não são de idas e vindas, adianta ela. O meu pai, José Genoíno Neto, não podia responder as mensagens enviadas, relata a dor da ausência da resposta.

- Elas foram a minha maneira particular de manter-me próxima a ele, quando esteve na Papuda.

A ideia central do meu livro recém-lançado 'Felicidade fechada', Editora Cosmos, edição do ano de 2017, é a de que é fundamental buscar sempre 'o outro lado da história', confidencia ela. Tivemos que encontrar uma editora com coragem e disposição para contar este outro lado da história, destaca. Recebi recusas de editoras e muitos silêncios, desabafa, lamenta, a autora.

- Editores simplesmente não me respondiam nada, mesmo tendo eles mesmos solicitado meu material. Eu já tinha desistido de fazer meu livro ser uma verdade quando encontrei a Editora Cosmos.

Não é diálogo muito menos catarse em forma epistolar, avalia. É o outro lado da história, dispara. Não fui ver a cela, pois eu sempre me abalo demais com tudo o que se relaciona com meu pai, José Genoíno Neto, informa com exclusividade para o DM Revista, do Diário da Manhã. A minha mãe diz a que a Papuda tinha condições piores que os presídios nos quais ficaram na época da ditadura.

O papel dos conglomerados de comunicação, controlados por se¬te famílias, no massacre contra José Genoíno, obtiveram centra¬li¬dade, crê. Ao criarem uma única narrativa: a de que meu pai de¬ve¬ria ser condenado, pois o PT precisava ser criminalizado, conceitua. Além disso, transformaram juízes em pessoas 'pop', atira. A referência é a Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal [STF]. O ministro da Suprema Corte já aposentou-se.

- Que, com isso, deixaram de lado a necessária imparcialidade que um julgamento justo requer. As manchetes eram tendenciosas e inclusive tentaram insinuar que meu pai não estava em condição de saúde delicada.

Saúde

As condições clínicas de José Genoíno Neto, em 2017, são boas, registra. Ele finalmente conseguiu controlar as questões de coagulação de seu sangue e está se cuidando, aponta, animada. Registro: o socialista integrou o PC do B, depois abriu dissi-dência e ingres¬sou no PRC [Partido Revolucionário Comunista], fundou a socialdemocrata Democracia Radical e compôs o antigo Campo Majoritário do PT, hoje Construindo Um Novo Brasil, a CNB.

A pedagoga possui uma visão crítica dos tempos sombrios no Brasil. A autora de 'Felicidade Fechada' denuncia o que classifica de judicialização da vida política nacional. Mais: ela mostra a gravidade das crises política, econômica e social do País. Cáustica, Miruna Genoíno denuncia a violação dos direitos dos trabalhadores – urbanos e rurais. Com reformas liberais.

Golpe frio

Sem malabarismos teóricos, Miruna Genoíno diz que a então presidente da República, a também ex-guerrilheira Dilma Vana Rousseff Linhares, sofreu um golpe frio, moderno, em 2016. Michel Temer, vice-presidente da República conspirou e ocupou o Palácio do Planalto, sem votos. Dilma Rousseff obteve 48, 5 milhões de votos válidos. Com ela, sofreu um golpe nossa democracia, fuzila.

- Mas o meu papel não é de fazer estas análises...

O projeto para o futuro de José Genoíno Neto, segundo Miruna Genoíno, não inclui nada em especial. O companheiro de Luiz Inácio Lula da Silva, dono de um patrimônio modesto, um homem de ideias, que chegou até pegar em armas para defende-las, quer seguir a vida que lhe resta fazendo suas reflexões, cuidar de seus netos e dedicar-se integralmente à sua família.

- O que esperar de Michel Temer? Apenas que ele não destrua no pouco tempo que tem, tudo aquilo que foi construído em nome do bem-estar social.

Perfil

Nome completo - Miruna Kayano Genoino
Idade - 36 anos
Formação - Pedagogia
Pais - José Genoino Neto e Rioco Kayano

Serviço

Título do livro - Felicidade Fechada
Editora - Cosmos
Número de páginas - 226
Preço - 65 reais
Onde encontrar - Livraria Cultura, Saraiva, Amazon

Infográfico
Números
1972
José Genoíno é preso no Araguaia, abril

1982
Ex-guerrilheiro é eleito deputado federal

2005
Crise política por repasses não contabilizados

2013
15 de novembro daquele ano sua prisão é decretada

2016
Golpe frio depõe a presidente eleita Dilma Rousseff

2017
Miruna Genoíno relata as dores em Felicidade Fechada
Fonte: Diário da Manhã

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247