Carvalho: 'Governo aposta no bom-senso de policiais para evitar greve'

Ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse que as ameaças grevistas não devem perdurar e o governo federal está dialogando com os comandos das polícias de todo o país para chegar a acordos: “Estamos apostando no bom-senso das pessoas, e acreditamos que essa movimentação pré-Copa não vai acontecer durante a Copa porque entendemos que as pessoas têm responsabilidade e sabem o que significa para o país um evento desse”

www.brasil247.com - Ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse que as ameaças grevistas não devem perdurar e o governo federal está dialogando com os comandos das polícias de todo o país para chegar a acordos: “Estamos apostando no bom-senso das pessoas, e acreditamos que essa movimentação pré-Copa não vai acontecer durante a Copa porque entendemos que as pessoas têm responsabilidade e sabem o que significa para o país um evento desse”
Ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse que as ameaças grevistas não devem perdurar e o governo federal está dialogando com os comandos das polícias de todo o país para chegar a acordos: “Estamos apostando no bom-senso das pessoas, e acreditamos que essa movimentação pré-Copa não vai acontecer durante a Copa porque entendemos que as pessoas têm responsabilidade e sabem o que significa para o país um evento desse” (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News

Luana Lourenço - Repórter da Agência Brasil - O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse ontem (20) que o governo aposta no “bom-senso” das corporações policiais para que não haja greve das forças de segurança durante a Copa do Mundo, que começa no dia 12 de junho. Segundo Carvalho, as ameaças grevistas não devem perdurar e o governo federal está dialogando com os comandos das polícias de todo o país para chegar a acordos.

“Estamos apostando no bom-senso das pessoas, e acreditamos que essa movimentação pré-Copa não vai acontecer durante a Copa porque entendemos que as pessoas têm responsabilidade e sabem o que significa para o país um evento desse. O ministro da Justiça hoje mesmo esteve reunido com comandantes das polícias do Brasil inteiro, tem havido um trabalho permanente de discussão do trabalho das polícias. Sinceramente, não acredito que nenhuma polícia ou corporação policial vai fazer greve durante a Copa, as pessoas têm noção do que significa isso”, avaliou, antes de participar da última rodada de debates, chamada Diálogos Governo-Sociedade Civil: Copa 2014, na sede do Sindicato dos Bancários, em Brasília.

"O evento de Recife mostrou com muita clareza o que você provoca, e não é para o governo, é para o povo. Sinceramente não consigo imaginar uma situação dessa. E esperamos não precisar usar nenhuma força de reserva para complementar esse serviço, que, esperamos, seja bem realizado pelas polícias", disse, em referência à greve de policiais

O evento na capital federal foi o último da série de debates promovidas pelo governo com movimentos sociais nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo. Após participar das reuniões, Carvalho acredita que os protestos contra a realização do Mundial não serão expressivos. No entanto, disse que o governo sabe que as pessoas irão às ruas durante o megaevento com outras reivindicações.

PUBLICIDADE

“As manifestações essencialmente contra a Copa serão muito pequenas durante a Copa. O que vai acontecer, falando hoje, são muito mais manifestações de oportunidade, de categorias profissionais, de movimentos de moradia e outros, legítimos, que vão aproveitar a visibilidade da Copa para fazer suas manifestações. Que nós esperamos que sejam pacíficas. Agora, manifestações diretamente contra a Copa, elas estão muito reduzidas”, avaliou.

Segundo Carvalho, não houve nenhum compromisso por parte dos movimentos sociais de que não haverá manifestações contra a Copa durante o evento, mas a avaliação foi feita com base nos resultados das reuniões país afora. Para o ministro, “a realidade está desmentindo” muitas informações equivocadas sobre a realização do Mundial no Brasil.

PUBLICIDADE

“É um diagnóstico que eu faço a partir do sentimento da população. Inclusive porque a realidade está desmentindo muita bobagem que foi dita: de que nada ficaria pronto, que o Brasil não teria condições, competência para organizar uma Copa e assim por diante. Na medida em que os estádios foram ficando prontos e outra série de obras, as pessoas pensam ‘peraí, qual o problema da Copa?’. Então o bom-senso vai prevalecendo e o clima da Copa vai chegando”, acrescentou.

Carvalho disse que as discussões com a sociedade civil e movimentos sociais nas cidades-sede, às vezes em debates acalorados, tiveram bons resultados e que o governo conseguiu levar informações sobre os investimentos feitos para o Mundial, além de defender o legado que as obras deixarão no país.

PUBLICIDADE

Depois da Copa, que termina no dia 13 de julho, o governo deve retomar os debates das cidades que sediaram o Mundial para fazer um balanço e discutir o legado do megaevento. “Em agosto, a gente volta para uma nova rodada para fazer um balanço da Copa e monitorar as obras, porque em muitas cidades não ficaram prontas para a Copa e isso para nós não é o mais importante. Porque o mais importante é que elas fiquem prontas para a população, o metrô ou o ônibus não é pra Copa, vai ser para a população depois. Vamos voltar e manter essa prática de diálogo permanente nas cidades”, adiantou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email