Celso Amorim: impeachment de Collor uniu o Brasil. O de Dilma divide o país

Em conferência realizada pelo Instituto Lula em parceria com a Fundação Perseu Abramo, o embaixador Celso Amorim, afirmou, nesta segunda (4), que enquanto o impeachment de Fernando Collor "uniu o Brasil", o processo de impedimento da presidente Dilma Rousseff "está dividindo" o país; na palestra “Em defesa de uma política externa ativa e altiva”: há algo de ‘novo’ na atual política externa do governo provisório, liderada por um político não por um diplomata?", Amorim afirmou que "o Brasil com a dimensão que tem, não tinha só que reagir de maneira altiva, mas ser um construtor da agenda internacional"; "Não pode ver a política internacional só do ponto de vista comercial", defendeu

Em conferência realizada pelo Instituto Lula em parceria com a Fundação Perseu Abramo, o embaixador Celso Amorim, afirmou, nesta segunda (4), que enquanto o impeachment de Fernando Collor "uniu o Brasil", o processo de impedimento da presidente Dilma Rousseff "está dividindo" o país; na palestra “Em defesa de uma política externa ativa e altiva”: há algo de ‘novo’ na atual política externa do governo provisório, liderada por um político não por um diplomata?", Amorim afirmou que "o Brasil com a dimensão que tem, não tinha só que reagir de maneira altiva, mas ser um construtor da agenda internacional"; "Não pode ver a política internacional só do ponto de vista comercial", defendeu
Em conferência realizada pelo Instituto Lula em parceria com a Fundação Perseu Abramo, o embaixador Celso Amorim, afirmou, nesta segunda (4), que enquanto o impeachment de Fernando Collor "uniu o Brasil", o processo de impedimento da presidente Dilma Rousseff "está dividindo" o país; na palestra “Em defesa de uma política externa ativa e altiva”: há algo de ‘novo’ na atual política externa do governo provisório, liderada por um político não por um diplomata?", Amorim afirmou que "o Brasil com a dimensão que tem, não tinha só que reagir de maneira altiva, mas ser um construtor da agenda internacional"; "Não pode ver a política internacional só do ponto de vista comercial", defendeu (Foto: Valter Lima)

247 - Em conferência realizada pelo Instituto Lula em parceria com a Fundação Perseu Abramo, o embaixador Celso Amorim, afirmou, nesta segunda-feira (4), em São Paulo, que enquanto o impeachment de Fernando Collor "uniu o Brasil", o processo de impedimento da presidente Dilma Rousseff "está dividindo" o país.

Na palestra “Em defesa de uma política externa ativa e altiva”: há algo de ‘novo’ na atual política externa do governo provisório, liderada por um político não por um diplomata?", Amorim afirmou que "o Brasil com a dimensão que tem, não tinha só que reagir de maneira altiva, mas ser um construtor da agenda internacional".

"Não pode ver a política internacional só do ponto de vista comercial", defendeu. "Como se pode dizer que o Brasil está isolado do mundo se apenas o BRICS atinge 30% da população mundial?", questionou.

Ao falar da política externa do Brasil, durante o governo Lula, o embaixador afirmou que "a propensão do ex-presidente ao diálogo só fez melhorar nosso relacionamento com o resto do mundo".

"A verdade é que o Brasil passou a ser muito respeitado em todo mundo", destacou. "A consciência de querer um país mais justo é que fez o presidente Lula querer fazer essa política externa ativa e altiva", emendou.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247