CNJ decide abrir investigação contra juiz que determinou prisão de Queiroz

Corregedor nacional de Justiça, Humberto Martins, decidiu abrir o procedimento de investigação com base em reportagens em que juiz Flavio Itabaiana é citado

Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz
Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado | Divulgação/Polícia Civil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro Humberto Martins, corregedor nacional de Justiça, determinou a instauração de um procedimento de investigação de ofício —ou seja, sem ser provocado— contra Flavio Itabaiana, titular da 27ª Vara Criminal do Rio, responsável até o fim de junho pela investigação contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no Caso Queiroz e que mandou prender o ex-assessor.

Humberto Martins decidiu abrir o procedimento com base em três reportagens a respeito de Itabaiana, entre as quais, uma em que é citado o fato de sua filha, Natália Nicolau, exercer um cargo comissionado no governo de Wilson Witzel (PSC), desafeto da família Bolsonaro. 

Na outra reportagem, fontes ligadas ao juiz relataram que ele demonstrou frustração ao perder o controle da investigação.

Por decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, foi concedido habeas corpus a Flávio Bolsonaro, após dois dos três desembargadores do colegiado contrariaram o entendimento do Supremo Tribunal Federal e decidiram que o processo de investigação sobre esquema de rachadinha no gabinete de Flávio, na Assembleia Legislativa do Rio, deveria correr no Órgão Especial do Tribunal por conta do foro privilegiado.

Nesta quinta-feira (9), o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), José Otávio de Noronha, concedeu prisão domiciliar para Queiroz e sua mulher, que está foragida..

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email