'Com Bolsonaro, aumentaram as invasões a terras indígenas', diz conselho ligado à CNBB

Dados do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), ligado à Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), apontam que entre janeiro a setembro deste ano foram registrados 160 “invasões possessórias, exploração ilegal de recursos naturais e danos diversos ao patrimônio" a 153 terras indígenas em 19 estados brasileiros. Em 2018 foram 111 casos em 76 terras indígenas de 13 estados da federação

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Dados preliminares divulgados nesta terça-feira pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), ligado à Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), apontam um aumento das invasões de terras indígenas nos nove primeiros meses do governo Jair Bolsonaro.

Segundo os dados da Cimi, entre janeiro a setembro foram registrados 160 “invasões possessórias, exploração ilegal de recursos naturais e danos diversos ao patrimônio" a 153 terras indígenas em 19 estados brasileiros. Em todo o ano de 2018 foram contabilizados 111 casos em 76 terras indígenas de 13 estados da federação.

O relatório do Cimi, intitulado "Violência Contra os Povos Indígenas do Brasil - dados de 2018", aponta que ano passado -- portanto antes do atual governo -- houve aumento do número de assassinatos de indígenas (135) em relação ao ano anterior (110).

De acordo com o Cimi, o tipo de invasões mudou nos últimos anos. Enquanto antigamente os invasores entravam na terra, roubavam madeira, exploravam minérios e depois, em algum momento, iam embora, agora tem havido a invasão com intenção de lotear e permanecer nos terrenos.

"Chama a atenção o aumento da prática ilegal de loteamento das terras indígenas, especialmente na região Norte", diz o documento.

O relatório aponta ainda que das 1.290 terras indígenas no Brasil, 821 (63%) ainda tem alguma pendência para finalização do processo de demarcação e dentro dessas, 528 não teve qualquer providência tomada pelo estado.

O presidente Jair Bolsonaro já anunciou que não pretende demarcar ou finalizar a demarcação de quaisquer novas terras indígenas durante seu governo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email