Comissão da Verdade quer punição a 100 militares

No relatório final que entregará à presidente Dilma Rousseff em dezembro, a CNV recomendará a responsabilização criminal – e a punição – de cerca de 100 militares que estão vivos e aturaram na violação de direitos humanos durante a ditadura militar; segundo Pedro Dallari, que preside a Comissão, o documento será "impactante" e causará "uma situação muito constrangedora no país"

No relatório final que entregará à presidente Dilma Rousseff em dezembro, a CNV recomendará a responsabilização criminal – e a punição – de cerca de 100 militares que estão vivos e aturaram na violação de direitos humanos durante a ditadura militar; segundo Pedro Dallari, que preside a Comissão, o documento será "impactante" e causará "uma situação muito constrangedora no país"
No relatório final que entregará à presidente Dilma Rousseff em dezembro, a CNV recomendará a responsabilização criminal – e a punição – de cerca de 100 militares que estão vivos e aturaram na violação de direitos humanos durante a ditadura militar; segundo Pedro Dallari, que preside a Comissão, o documento será "impactante" e causará "uma situação muito constrangedora no país" (Foto: Gisele Federicce)

247 – A Comissão Nacional da Verdade (CNV) entregará à presidente Dilma Rousseff um relatório em que pedirá a responsabilidade criminal e a punição de aproximadamente 100 militares que ainda estão vivos e participaram da violação de direitos humanos na época da ditadura militar.

"Vamos indicar a necessidade da responsabilização. Como isto vai ser feito, se vai ser feito afastando-se a aplicação da Lei de Anistia, reinterpretando a lei, modificando a lei, isto é algo que caberá ao Ministério Público, ao Poder Judiciário e ao Legislativo", afirmou o presidente da comissão, Pedro Dallari, em entrevista ao portal Uol.

Segundo ele, o relatório será "impactante" e provocará "uma situação muito constrangedora no País". "A sociedade vai se virar para as Forças Armadas, para a presidente, para o governo, esperando uma atitude. E o que é pior, como esses atuais comandantes [das Forças Armadas] vão deixar seus postos, eles deixarão uma bomba armada para seus sucessores, que terão que lidar então com esse quadro muito difícil de administração", afirmou.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247