Comissão de Anista agora trata vítimas da Ditadura como "terroristas"

A Comissão de Anistia chamou de terroristas os requerentes de pedidos de indenização a familiares de vítimas da Ditadura Militar (1964-1985) e usou como suposta prova as memórias de infância de relatores militares que veem o regime repressivo como o "movimento civil e militar de 31 de março de 1964"

Damares Alves
Damares Alves (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Comissão de Anistia chamou de terroristas os requerentes de pedidos de indenização a familiares de vítimas da Ditadura Militar (164-1985) e usou como suposta prova as memórias de infância de relatores militares que veem o regime repressivo como o "movimento civil e militar de 31 de março de 1964". É o que aponta reportagem do Uol. 

A ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, anunciou em março uma auditoria nas reparações a anistiados. A titular da pasta tem usado os mais de 1.300 pedidos de indenizações negados como propaganda de boa gestão de recursos.

A advogada Rita Sipahi, que integrava a comissão desde 2009, pediu em maio para se afastar, citando como justificativa a nomeação de "militares de carreira, com atuação contrária à concessão da reparação e à instauração da Comissão Nacional da Verdade".




A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247