Comissão de Direitos Humanos cobra investigação de chacina

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), deputado federal Paulão (PT-AL), divulgou nota acerca da chacina que vitimou nove pessoas no Mato Grosso; ele diz que acompanha o caso e que será aberto procedimento de apuração dos fatos; o parlamentar afirma que acionou o Ministério da Justiça para que o órgão determine à Polícia Federal que se dirija ao local com a maior rapidez possível

O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), deputado federal Paulão (PT-AL), divulgou nota acerca da chacina que vitimou nove pessoas no Mato Grosso; ele diz que acompanha o caso e que será aberto procedimento de apuração dos fatos; o parlamentar afirma que acionou o Ministério da Justiça para que o órgão determine à Polícia Federal que se dirija ao local com a maior rapidez possível
O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), deputado federal Paulão (PT-AL), divulgou nota acerca da chacina que vitimou nove pessoas no Mato Grosso; ele diz que acompanha o caso e que será aberto procedimento de apuração dos fatos; o parlamentar afirma que acionou o Ministério da Justiça para que o órgão determine à Polícia Federal que se dirija ao local com a maior rapidez possível (Foto: Voney Malta)

247 – O presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados, deputado Paulão (PT-AL), divulgou nota acerca da chacina que vitimou nove pessoas no Mato Grosso.

Segundo o parlamentar, situação é de indignação. Paulão também diz que acompanha o caso e que será aberto procedimento de apuração dos fatos, “oficiando as autoridades competentes sobre a investigação dos crimes e requerendo informações acerca das denúncias que recebemos”.

Na nota, o presidente da CDHM afirma que acionou o Ministério da Justiça para que o órgão que determine à Polícia Federal que se dirija ao local com a maior rapidez possível.

Leia abaixo a nota na íntegra:

“É com profunda indignação que recebi a notícia de um possível atentado que teria resultado na morte de cerca de dez pessoas, incluindo crianças, mulheres e idosos na comunidade Taquaruçu do Norte, na área rural do município de Colniza, no Mato Grosso, segundo informações de fontes locais.

Ainda segundo os relatos locais, há dezenas de feridos e pessoas desaparecidas. Trata-se da maior chacina no campo no estado do Mato Grosso. Segundo informações apuradas pela assessoria técnica da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), a região é marcada por conflitos agrários desde sua constituição, com diversos registros de mortes praticadas por pistoleiros profissionais. Os episódios são relatados há muito tempo por agricultores locais ameaçados de morte. Informes vindos da região dão conta de que fazendeiros querem eliminar as comunidades por considerarem que são empecilhos para seu negócio. Não se trata de um episódio isolado no contexto dos conflitos agrários

Na última segunda, a Comissão Pastoral da Terra lançou seu relatório anual de Conflitos no Campo e constatou aumento de 22% nos assassinatos de populações do campo em função de conflitos agrários em 2016 na comparação com o ano anterior, totalizando 61 mortes.

No relatório, fica latente a omissão do atual governo brasileiro, ao indicar a retirada de recursos e o fim de programas estratégicos para a melhoria da vida do trabalhador do campo, além de cortar recursos de fiscalização dos órgãos competentes para observar o cumprimento de demarcações determinadas pela Justiça, além de projetos de lei e medidas provisórias que tramitam neste Congresso que retiram direitos dos trabalhadores do campo e povos tradicionais, como as MPs 215 e 759.

Na condição de presidente da CDHM, informo que estou acompanhando o caso com absoluta prioridade e determinei à assessoria técnica da Comissão que abra um procedimento de apuração dos fatos, oficiando as autoridades competentes sobre a investigação dos crimes e requerendo informações acerca das denúncias que recebemos. Acionei o Ministério da Justiça solicitando ao órgão que determine à Polícia Federal que se dirija ao local com a maior rapidez possível.

Por fim, realizei contato com a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, na figura da subprocuradora Deborah Duprat, com o intuito de somar esforços conosco na obtenção de respostas.”

Deputado Paulão

Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM)

 

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247