“Companheiros, a luta não terminou“

O vice-ministro de Governo Luiz Azevedo publicou em seu Facebook uma mensagem para "aqueles que estão se sentindo derrotados"; "Companheiros, a luta não terminou!  Internacionalmente a repercussão do golpe é favorável a Dilma e, no Brasil, milhares estão percebendo que entraram de gaiato no navio. Temos de radicalizar o combate contra a quadrilha que se articulou para dar o golpe e salvar seus próprios pescoços da Justiça", afirmou

O vice-ministro de Governo Luiz Azevedo publicou em seu Facebook uma mensagem para "aqueles que estão se sentindo derrotados"; "Companheiros, a luta não terminou!  Internacionalmente a repercussão do golpe é favorável a Dilma e, no Brasil, milhares estão percebendo que entraram de gaiato no navio. Temos de radicalizar o combate contra a quadrilha que se articulou para dar o golpe e salvar seus próprios pescoços da Justiça", afirmou
O vice-ministro de Governo Luiz Azevedo publicou em seu Facebook uma mensagem para "aqueles que estão se sentindo derrotados"; "Companheiros, a luta não terminou!  Internacionalmente a repercussão do golpe é favorável a Dilma e, no Brasil, milhares estão percebendo que entraram de gaiato no navio. Temos de radicalizar o combate contra a quadrilha que se articulou para dar o golpe e salvar seus próprios pescoços da Justiça", afirmou (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O vice-ministro de Governo Luiz Azevedo publicou em seu Facebook uma mensagem para "aqueles que estão se sentindo derrotados".

"Companheiros, a luta não terminou! Internacionalmente a repercussão do golpe é favorável à Dilma e, no Brasil, milhares estão percebendo que entraram de gaiato no navio. Temos de radicalizar o combate contra a quadrilha que se articulou para dar o golpe e salvar seus próprios pescoços da Justiça", afirmou.

"Podemos e devemos reunir em torno dela um conjunto de lideranças políticas da mais alta envergadura e continuarmos denunciando e travando uma batalha consistente em defesa da democracia. Não devemos e, logo, nem o povo que apoiou o golpe vai querer, aceitar a dupla Temer e Cunha como alternativa para tirar o Brasil da crise. Se aprovarem no Senado, serão seis meses de batalha sem trégua", reforçou.

Abaixo a mensagem na íntegra:

Preciso tornar pública minha indignação e, ao mesmo, tempo alertar, pois sinto que muitos dão a batalha por perdida depois da votação do Impeachment na Câmara. 

Companheiros, a luta não terminou!

Internacionalmente a repercussão do golpe é favorável a Dilma e, no Brasil, milhares estão percebendo que entraram de gaiato no navio. 
Temos de radicalizar o combate contra a quadrilha que se articulou para dar o golpe e salvar seus próprios pescoços da Justiça. 

Você pode não gostar de Dilma e isso é um direito seu, mas ninguém pode retirá-la do poder sem crime de responsabilidade.

A Câmara dos Deputados aprovou e o Senado também pode aprovar o andamento do processo. A Dilma pode ser afastada. Mas, diferentemente de Collor, que renunciou, Dilma continuará como Presidenta afastada por seis meses. 

Podemos e devemos reunir em torno dela um conjunto de lideranças políticas da mais alta envergadura e continuarmos denunciando e travando uma batalha consistente em defesa da democracia. 

Não devemos e, logo, nem o povo que apoiou o golpe vai querer, aceitar a dupla Temer e Cunha como alternativa para tirar o Brasil da crise.
Se aprovarem no Senado, serão seis meses de batalha sem trégua. 

O combate em defesa da democracia é tão importante como aquele que mobilizou milhões e retirou a vida de outros milhares na luta contra o fascismo, que não pode e não passará.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247