Conselho do MP rejeita indicação de Bolsonaro para comissão sobre mortos na ditadura

Na sessão desta terça (6), os conselheiros argumentaram que não cabe ao Executivo escolher o membro do MPF que integrará a comissão e rejeitou o nome do procurador Ailton Benedito, entusiasta do regime militar, para compor a Comissão Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Conselho Superior do Ministério Público Federal rejeitou por 6 a 4 a indicação do procurador Ailton Benedito para compor a Comissão Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Benedito foi indicado pelo governo de Jair Bolsonaro para compor o colegiado.

Na sessão desta terça (6), os conselheiros argumentaram que não cabe ao Executivo escolher o membro do MPF que integrará a comissão.

Em sua redes sociais, Benedito elogia o regime militar e em 31 de março deste ano comemorou o golpe de 1964. Pelas redes ele também se denomina “cidadão de bem” e foi uma dos que espalhou a tese de que o nazismo era de esquerda, afirmação que foi desmontada pelo próprio governo alemão. Atualmente ele é procurador-chefe da República em Goiás.

Bolsonaro indicou o nome de Benedito para substituir o procurador Ivan Marx, que ocupa o posto. Mas não obteve êxito porque a nomeação precisa do aval do Conselho para ter validade.

Os conselheiros reforçaram ainda que a indicação de Bolsonaro foi inoportuna, pois o cargo ocupado atualmente pelo procurador Ivan Marx não está vago.

A situação foi tão constrangedora que a procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge, que inicialmente havia apoiado o nome de Benedito, recuou e vetou o colega.

Com informações do G1.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247