Conselho investigará violação a direito de defesa de Lula

O Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) se baseou em denúncia que apontava seletividade, discriminação e violações de direitos humanos e princípios constitucionais pela Justiça Brasileira, contidas nas reportagens do The Intercept Brasil

Lula na recepção da caravana na cidade de Inhuma, no Piauí
Lula na recepção da caravana na cidade de Inhuma, no Piauí (Foto: Ricardo Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Gabriela Coelho, do Conjur - O Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) decidiu, nesta quinta-feira (11/7), abrir uma sindicância para analisar a possibilidade de violação no direito à defesa do ex-presidente Lula.

O CNDH designou como relator o conselheiro Leandro Gaspar Scalabrin, que deverá focar sua análise na perspectiva de violação de direitos humanos, devendo apresentar seu relatório em plenário, sem data definida. A informação foi divulgada pelo jornalista Marcelo Menna Barreto, do site Jornal Extra Classe.

O colegiado se baseou em denúncia recebida no dia 10 de junho, que afirmava que houve seletividade, discriminação e violações de direitos humanos e princípios constitucionais pela Justiça Brasileira, contidas nas reportagens do The Intercept Brasil.

Os arquivos vazados incluem mensagens privadas, gravações em áudio, vídeos, fotos, documentos judiciais e outros itens – enviados por uma fonte anônima, publicitando conversas de integrantes da força-tarefa da 'lava jato", coordenada pelo procurador Deltan Dallagnol, em colaboração com o atual ministro da Justiça, Sergio Moro.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247