Contratos entre Labogen e governos tucanos chegam a R$ 164 milhões

A empresa Medicamentos Labogen, do doleiro Alberto Youssef, firmou contrato no valor de R$ 30,8 milhões com o Ministério da Saúde na gestão de José Serra, em 1999; laboratório também vendeu diretamente para a Fundação Remédio Popular (Furp), do governo do Estado de São Paulo, de 1999 a 2005

A empresa Medicamentos Labogen, do doleiro Alberto Youssef, firmou contrato no valor de R$ 30,8 milhões com o Ministério da Saúde na gestão de José Serra, em 1999; laboratório também vendeu diretamente para a Fundação Remédio Popular (Furp), do governo do Estado de São Paulo, de 1999 a 2005
A empresa Medicamentos Labogen, do doleiro Alberto Youssef, firmou contrato no valor de R$ 30,8 milhões com o Ministério da Saúde na gestão de José Serra, em 1999; laboratório também vendeu diretamente para a Fundação Remédio Popular (Furp), do governo do Estado de São Paulo, de 1999 a 2005 (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 – Apesar de estarem na mídia principalmente por denúncias contra o deputado André Vargas (sem partido, PR) e contra o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, atual pré-candidato ao governo de São Paulo, as empresas do doleiro Alberto Youssef, Medicamentos Labogen e Labogen Química, firmaram contratos durante gestões tucanas.

Em 1999, na gestão de José Serra (PSDB), a Medicamentos Labogen firmou contrato de R$ 30,8 milhões com o ministério da Saúde, de acordo com denúncia do blog Tijolaço (R$ 97,4 milhões em valores corrigidos até março de 2014). Além disso, a empresa vendeu diretamente para a Fundação Remédio Popular (Furp), do governo do Estado de São Paulo, de 1999 a 2005, revela o blog Viomundo.

Reportagem de Conceição Lemes aponta ainda a Furp também firmou vários contratos com a Piroquímica Comercial, oficialmente de Pedro Argese Júnior, que segundo o MPF-PR, é testa de ferro de Youssef. Os contratos foram entre 1999 e 2007, consequentemente nos governos Covas, Alckmin e Serra.

Os contratos da Furp com a Medicamentos Labogen somam R$ 14 milhões (R$ 28 milhões em valores corrigidos); e com a Piroquímica, R$ 20 milhões (R$ 39 milhões em valores corrigidos). Ao todo, portanto, os contratos das indústrias que pertencem ao doleiro preso na operação Lava Jato, da PF, com governos do PSDB paulista chegam a R$ 67 milhões. Somados os contratos da gestão Serra no ministério da Saúde (R$ 97,4 milhões), a soma alcança R$ 164 milhões.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email