Correção sobre post do historiador Fernando Horta

247 publica correção sobre post do historiador Fernando Horta, a respeito da cronologia dos fatos que levaram ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff

Manifestantes com faixa contra o golpe durante Protesto Fora Temer realizado no Centro Cívico em Curitiba, PR.
Manifestantes com faixa contra o golpe durante Protesto Fora Temer realizado no Centro Cívico em Curitiba, PR. (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Horta, em seu Facebook

Eu não gosto de fazer o que vou fazer, mas é preciso.

Há alguns dias venho alertando que algumas pessoas têm alterado os meus textos e repassado com as alterações mantendo os créditos.

O problema é que as alterações tornam o texto diferente e algumas vezes errado.

O original do texto foi publicado dia 04/05 e continua público na página.

Vou pontuar algumas diferenças e porque estas diferenças do original e do que está publicado agora por um site de esquerda (https://www.brasil247.com/…/Professor-de-Hist%C3%B3ria-da-U…) tornam o texto errado.

Na segunda linha do republicado (errado) está "2008 - Derrocada do modelo capitalista e prejuízo de 22 trilhões de dólares aos estados.". No original consta "Maior crise da história do capitalismo, prejuízo de 22 trilhões de dólares". A pessoa que modificou quis dar mais "punch" ao texto mas tornou ele errado. O capitalismo é caracterizado por crises, inúmeras, mas também por sua imensa capacidade de adaptação. Schumpeter nomina isto de "destruição criativa" e quem estuda História Contemporânea (como eu) jamais poderia falar em "derrocada do capitalismo". Ao pesar a mão a pessoa errou a dose.

Na terceira linha do texto alterado consta "2009 - começo obscuro e desconhecido da lava a jato com orientação dos EUA.". No original está "2009 - começo obscuro e desconhecido da lava a jato". Quem conhece a história da Lava a Jato sabe que ela começa em 2009 com uma investigação sobre um posto de gasolina e lavagem de dinheiro. Em 2009 ninguém conhecia a operação direito e Moro tem feito uma ginástica (creio eu ilegal) para atrair competência e julgar tudo sobre a Petrobrás. Não estou entre os que acreditam em maquinações dos EUA como ator central da crise brasileira. Estudo a fundo os EUA e venho dizendo que eles NÃO se caraterizam como um ator unitário. Não creio que estão na gênese da lava a jato, o que não quer dizer que não possam ter contribuído de alguma forma.

Na terceira linha diz "2010 - Lula paga toda a divida externa brasileira e acaba com o dinheiro fácil para os bancos estrangeiros.". O texto original não fala disto. E não fala porque Lula não pagou TODA a dívida externa brasileira. A pessoa que editou não sabe do que fala. Lula pagou a dívida com o FMI e se propôs a pagar a dívida pública com credores internacionais, que não aceitaram. Pela lei da oferta e da procura se o Brasil derramasse bilhões de dólares no mercado para pagar sua dívida externa a moeda americana sofreria uma diminuição de preço. Os credores não quiseram, então Lula aprovisionou os valores. A dívida formalmente não está paga, mas temos em reservas mais do que devemos, então a dívida não preocupa. O texto editado, entretanto está ERRADO.

Na quarta linha do texto editado está "2010 - Crise do Euro e inicio da quebra de vários países europeus." O original fala apenas em "Crise do Euro". Isto porque diversas economias européias já vinham, antes mesmo de 2010 com graves problemas (como a Grécia, Irlanda, Itália e etc) O problema se agrava com a crise de 2010 mas a crise não é a causa. Novamente, no afã de fazer um texto político a pessoa que editou torna o texto errado.
Na oitava linha do texto editado está "2013 - Dilma derruba a taxa basica de juros Selic para o menor patamar da história: 7,25%." e no original consta "2012/out - Dilma usa bancos públicos (BB e Caixa) para forçar a queda da taxa de juros que chega ao recorde de baixa de 7,25%". Textos diferentes e acho que a edição feita perdeu informação.

Na nona linha está "2013 - IBGE registra pela primeira vez o pleno emprego no Brasil, ou seja, menos de 5% de desempregados. (4,75%)." uma inserção que não está no texto original, apesar de não estar errada.

Adiante está no texto editado "2014 - criação das facções: MBL / Vem Pra Rua / Revoltados online / Nas Ruas.". No original apenas "2014/nov - criação do MBL". A diferença torna o texto errado, primeiro porque as datas estão erradas para os outros "grupos" que não o MBL e segundo porque o MBL pode-se traçar a origem de existência fora do Brasil, os outros grupos nem tanto. O MBL é financiado pelos "Students for Liberty". Publiquei texto no OperaMundi sobre isto. A professora Kátia Gerab Baggio tem um trabalho publicado interessantíssimo sobre a ligação interna-externa com think tanks.

O erro do texto editado é a generalização sem cuidado.

Adiante no texto editado está escrito "2014-2015 - Eduardo Cunha paralisa o congresso e impede Dilma de governar.
2015 - Dada a incerteza política empresários param de investir, mídia cria e alimenta a narrativa da crise." e no original apenas "2014-2015 - congresso paralisa, empresários param de investir, mídia ventila a narrativa da crise.". A diferença revela muito. Não estou entre os que acham que a Dilma foi simplesmente "sabotada" e "impedida de governar". Creio que ela tinha inúmeras ferramentas à sua disposição que não usou. Não acho que o Eduardo Cunha tivesse tamanho poder. Dilma acreditou num republicanismo institucional que, dada a história do Brasil, foi uma crença infantil. Quem me acompanha sabe que discuto, inclusive com amigos, este ponto.

Seguindo no texto editado consta "2017 - morte de Teori Zavascki/indicação de tucano para o STF, mudança no marco regulatório do pre-sal, fim da previdência, das leis trabalhistas, da educação universal e do SUS, fatiamento e venda da Petrobras." e no original "2017 - morte de teori zavascki/indicação de tucano para o STF, mudança no marco regulatório do pre-sal, fim da previdência, das leis trabalhistas, da educação universal e do SUS". Eu não falo da Petrobrás aqui. Não há erro, mas o reforço de sentido não me agrada.

Por último, no texto consta como se eu fosse "professor de História da UnB". Sou formado em história pela UFRGS e faço meu doutorado na UnB emHistória das Relações Internacionais ligado, portanto, ao Instituto de Relações Internacionais. Dei aulas como professor temporário no IREL mas não tenho vínculo outro que não o da pós-graduação e pesquisa. Conheço os professores do curso de História da UnB, meu orientador é da História e sei de sua imensa qualidade. Alguns, entretanto, pensam muito diferente de mim e teriam divergências com o publicado.

No meu entendimento, o texto publicado com as alterações fica errado empiricamente. E serve apenas para fortalecer os críticos. No texto original, o maior vôo que dou é sobre a emenda do voto (que havia sido instalada no mesmo dia) e coloco "possivelmente" porque acredito que seja este o objetivo real do projeto. E não só eu, outros professores também assim se manifestaram. Mas é a única informação mais distante da empiria que me permiti.

Desculpem o tempo, mas ao compartilhar mantenham o link original. Tenho um cuidado até em mostrar as minhas próprias edições nas postagens, para evitar que alguém leve a culpa por alguma informação que eu tenha modificado sem indicar, não poderia me calar agora. Nada contra quem replicou a cópia mudada, sei que o fizeram sem conhecer o original, mas sites maiores, por favor, peguem a postagem original para se precaverem destes problemas.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email