Corrente solidária se forma sobre tragédia no ES

As vítimas das chuvas que castigam o Espírito Santo desde o início do mês têm o sofrimento amenizado pela solidariedade de conterrâneos e de pessoas de todo o país dispostas a ajudar de alguma forma; ajuda vem acontecendo por meio de doação de alimentos, roupas, dinheiro e de orações de gente que deseja ver diminuída a dor das famílias dos 17 mortos que já são registrados até então e das mais de 47 mil pessoas que tiveram de deixar suas casas e estão abrigadas em igrejas, escolas públicas, galpões e em casas de parentes que não foram afetados pelo maior desastre natural dos últimos 90 anos no estado

As vítimas das chuvas que castigam o Espírito Santo desde o início do mês têm o sofrimento amenizado pela solidariedade de conterrâneos e de pessoas de todo o país dispostas a ajudar de alguma forma; ajuda vem acontecendo por meio de doação de alimentos, roupas, dinheiro e de orações de gente que deseja ver diminuída a dor das famílias dos 17 mortos que já são registrados até então e das mais de 47 mil pessoas que tiveram de deixar suas casas e estão abrigadas em igrejas, escolas públicas, galpões e em casas de parentes que não foram afetados pelo maior desastre natural dos últimos 90 anos no estado
As vítimas das chuvas que castigam o Espírito Santo desde o início do mês têm o sofrimento amenizado pela solidariedade de conterrâneos e de pessoas de todo o país dispostas a ajudar de alguma forma; ajuda vem acontecendo por meio de doação de alimentos, roupas, dinheiro e de orações de gente que deseja ver diminuída a dor das famílias dos 17 mortos que já são registrados até então e das mais de 47 mil pessoas que tiveram de deixar suas casas e estão abrigadas em igrejas, escolas públicas, galpões e em casas de parentes que não foram afetados pelo maior desastre natural dos últimos 90 anos no estado (Foto: Romulo Faro)

247 - Pode ser coincidência com o espírito de bondade que predomina no Natal, mas as vítimas das chuvas que castigam o Espírito Santo desde o início do mês têm o sofrimento amenizado pela solidariedade de conterrâneos e de pessoas de todo o país.

Ajuda vem acontecendo por meio de doação de alimentos, roupas, dinheiro e de orações de gente que deseja ver diminuída a dor das famílias dos 17 mortos que já são registrados até então e das mais de 47 mil pessoas que tiveram de deixar suas casas e estão abrigadas em igrejas, escolas públicas, galpões e em casas de parentes que não foram afetados pelo maior desastre natural dos últimos 90 anos no estado.

Aproximadamente 50 das 72 cidades capixabas foram devastadas e algumas tê, dificuldade de receber ajuda porque estão isoladas. Donativos estão sendo entregue em shoppings centers, igrejas, escolas e sedes das polícias Civil e Militar.

Um grupo de 20 bombeiros do Grupamento de Busca e Salvamento do Estado do Rio de Janeiro embarcou na manhã de hoje (25) em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), na Base Aérea do Galeão, com destino ao Espírito Santo.

Os militares são especialistas em salvamento em desastres e vão dar apoio às ocorrências causas pelo temporal no estado. De acordo com a Secretaria de Estado de Defesa Civil, outro grupo segue por terra. A ajuda vai permanecer no Espírito Santo por tempo indeterminado.

Abaixo matéria atualizada da Agência Brasil sobre a situação do estado e informações sobre a visita que a presidente Dilma Rousseff fez ontem ao estado para levar ajuda do governo federal.

Alex Rodrigues

Repórter Agência Brasil

Brasília – A morte de um homem em Colatina (ES) nesta quarta-feira (25) elevou para 15 o número de vítimas das chuvas que castigam o Espírito Santo desde o começo de dezembro. Há informações de que mais dois corpos foram encontrados esta manhã e que outros três moradores de Colatina estão desaparecidos, mas a Defesa Civil estadual ainda não confirmou os dados. O governo do estado decretou situação de emergência ou estado de calamidade em 48 das 78 cidades capixabas.

A maioria das mortes (8) ocorreu em Itaguaçu onde, ontem (24), a Defesa Civil estadual chegou a comunicar indevidamente um óbito a mais – informação corrigida ao longo do dia. Três vítimas fatais são de Colatina; duas de Baixo Guandu; uma de Nova Venécia e uma de Domingos Martins.

Até ontem, os estragos causados pelas chuvas já haviam obrigado 49.886 capixabas a deixarem suas casas. Desses, 5,3 mil tiveram que ir para abrigos. Outros 44.586 foram acolhidos por parentes ou amigos. As próprias autoridades estaduais, no entanto, reconhecem que os números podem ser maiores, pois a dificuldade de acesso às regiões mais afetadas tem dificultado o socorro e o diagnóstico preciso da situação.

Muitas cidades estão isoladas, sem comunicação, água potável e energia elétrica. Em Vila Velha e Serra, duas das cidades da Região Metropolitana da Grande Vitória que a presidenta Dilma Rousseff sobrevoou ontem, há bairros inteiramente alagados, com ruas intransitáveis e barragens prestes a transbordar.

A estimativa é que cerca de 20 mil quilômetros de estradas tenham sido destruídas ou danificadas. Esta manhã, o Rio Doce transbordou próximo à cidade de Linhares, bloqueando o tráfego de veículos entre os quilômetros 150 e 155 da BR-101.

A Defesa Civil estadual pediu o apoio de pessoas que possuam barcos leves a fim de socorrer às vítimas das enchentes. Voluntários podem procurar informações nas unidades do Corpo de Bombeiros das cidades afetadas.

As perdas da agricultura e pecuária são grandes e, em todo o estado, comércio, indústria e serviços foram prejudicados. O governo estadual abriu linhas de crédito especiais para as vítimas das chuvas.

Após sobrevoar algumas das áreas afetadas, a presidenta Dilma anunciou que o governo federal dará todo apoio financeiro para recuperar o estado. Dilma também disse que o Poder Executivo federal está mobilizado para ajudar no pronto atendimento das vítimas e garantiu que o governo federal investiu cerca de R$ 600 milhões em obras de prevenção no Espírito Santo.

"Em casos como este, aqui no Espirito Santo, o trabalho dos Ministérios, nesse momento inicial, é salvar vidas e garantir abrigo às pessoas que necessitam. Além das iniciativas emergenciais já anunciadas para assistência à população afetada, o governo federal tem o investimento de R$ 600 milhões em obras de prevenção no Espírito Santo", disse a presidenta.

O Ministério da Saúde está enviando remédios e profissionais da Força Nacional e do Sistema Único de Saúde (SUS) para atender à população. Os 129 profissionais do Programa Mais Médicos que já atuavam em 19 cidades capixabas foram orientados a priorizar o atendimento em atenção básica, principalmente entre pacientes gestantes, hipertensos, diabéticos, crianças com menos de um ano e pessoas em tratamento renal e contra câncer.

O ministério também disponibilizou duas toneladas de medicamentos e insumos para atender cerca de 15 mil pessoas por mês. Entre o material enviado estão 20 mil frascos de hipoclorito de sódio – composto químico usado na desinfecção de água potável para garantir a qualidade do líquido consumido pela população.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247