Corrupção política é 'gota no oceano', diz sociólogo Jessé Souza

O sociólogo Jessé Souza lança um novo livro e põe o dedo em mais uma ferida simbólica da sociedade brasileira: a ideia da corrupção como traço cultural; em "A Classe Media no Espelho" (Estação Brasil), Jessé Souza afirma que o pensamento dominante de que a corrupção seja a raiz de nossa cultura enfraquece as esferas do poder público e nos deixa, juntamente com a tradição escravocrata, em uma posição socialmente interrompida

Corrupção política é 'gota no oceano', diz sociólogo Jessé Souza
Corrupção política é 'gota no oceano', diz sociólogo Jessé Souza

247 - O sociólogo Jessé Souza lança um novo livro e põe o dedo em mais uma ferida simbólica da sociedade brasileira: a ideia da corrupção como traço cultural. Em "A Classe Media no Espelho" (Estação Brasil), Jessé Souza afirma que o pensamento dominante de que a corrupção seja a raiz de nossa cultura enfraquece as esferas do poder público e nos deixa, juntamente com a tradição escravocrata, em uma posição socialmente interrompida. 

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo entrevistou o sociólogo e destacou sua posição com relação a temas polêmicos da cena nacional, como as últimas eleições presidenciais. 

Sobre a herança da escravidão, tema de seu penúltimo livro "A Elite do Atraso", Jessé comenta: "já andei por muitos lugares do mundo e nunca vi sociedade tão desigual e perversa como a nossa. É herança da escravidão, que nunca foi percebida e criticada. Eu estava em um restaurante em São Paulo dias atrás e vi um casal achincalhar o garçom, que era excelente. Diziam coisas como: "Se você fosse menos preguiçoso...'. Isso é sadismo, vem da escravidão. A dominação não é só econômica, é moral. Invoca essa necessidade de humilhar para criar uma sensação de distinção."

Sobre a elite brasileira, o sociólogo diz: "o que a elite brasileira fez? Primeiro, humilhou o povo para que ele continue sendo assaltado. Como? Dizendo que a corrupção vem de Portugal, desde 1381, como escreveu o [Raymundo] Faoro, o mais influente historiador do Brasil, repetido pela esquerda e pela direita o tempo todo. Dizer que a corrupção [atual] vem dessa época é idiotice porque o conceito moderno de corrupção pressupõe a invenção de soberania popular, que vem, na prática, da Revolução Americana, em 1776, e da Revolução Francesa, em 1789. E não se pode tratar isso como transmissão de sangue, 'biologizando' esse aspecto. Assim, a elite rouba a capacidade de resistência e de reflexão da população."

Jessé Souza também reflete sobre esquerda e direita e o simulacro que irrompe no debate público quando o assunto é polarização: "nessas eleições de 2018, não se falou sobre quem leva o povo ao empobrecimento, que é essa pequena elite. As isenções fiscais, por exemplo, são absurdas. Nem o candidato de esquerda nas últimas eleições [Fernando Haddad, do PT] articulou nada acerca disso. A esquerda é burra, colonizada pela direita, pelo pensamento conservador, e não consegue criar um discurso de resistência, como ficou comprovado nessas últimas eleições."

 

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão
Brasil

Mourão: quem manda é o Bolsonaro

Ocupando interinamente a Presidência, enquanto Jair Bolsonaro está no hospital, o general Hamiton Mourão concedeu entrevista ao jornal Correio Braziliense na qual buscou evitar qualquer conflito...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247