Corte de Bolsonaro na Educação ameaça pesquisa de vacina contra zika

Entre as 3.474 bolsas da Capes suspensas pelo governo de Jair Bolsonaro, está a do estudante de doutorado da UFRJ Túlio Macedo Lima, que desenvolve pesquisa sobre vacina contra o vírus zika

Corte de Bolsonaro na Educação ameaça pesquisa de vacina contra zika
Corte de Bolsonaro na Educação ameaça pesquisa de vacina contra zika (Foto: REUTERS/Carlos Jasso)

247 - O presidente Jair Bolsonaro e seu ministro da Educação, Abraham Weintraub, usaram as redes sociais para dizer que o corte de 30% nos institutos e universidades federais só afetam os "bolsistas inativos". Mas o estudante de doutorado da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Túlio Macedo Lima está entre os milhares de alunos afetados pelo bloqueio nas bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Ao todo, 3.474 bolsas de pós-graduação (mestrado, doutorado e pós-doutorado), foram suspensas. E o caso de Túlio, sua pesquisa envolve o desenvolvimento de uma vacina contra o vírus zika, além de se dedicar a criação de um novo tipo de imunização contra a febre amarela, de produção mais rápida e com menos efeitos colaterais do que a atual.

De acordo com reportagem do G1, a bolsa de Túlio foi cortada e o estudante ficou sem bolsa depois de cursar um ano de mestrado e ser convidado pelos professores a ingressar direto no doutorado, graças ao bom desempenho e à importância de seu projeto de pesquisa.

"Ao abdicar da bolsa de mestrado para concorrer à de doutorado, Lima acabou ficando sem auxílio nenhum por conta do bloqueio do MEC às bolsas consideradas ociosas, ou seja, que não estavam sendo pagas em abril", destaca a reportagem.

O professor Fernando Haddad, ex-ministro da Educação no governo do presidente Lula, comentou: "Um governo contra bolsas de estudo e vacina".

 

Ao vivo na TV 247 Youtube 247