Dallagnol diz que não percebeu 'dimensão' de ações contra Lula

Para explicar a produção do PowerPoint, Dallagnol disse "não perceber que ações envolvendo o ex-presidente Lula tomam uma dimensão muito grande". No entanto, o procurador defendeu as acusações. "Não foi errado, só foi um jeito que não foi conveniente, que não repercutiu bem", afirmou

‘PowerPoint’ de Dallagnol contra Lula pode custar R$ 1 milhão em danos morais
‘PowerPoint’ de Dallagnol contra Lula pode custar R$ 1 milhão em danos morais (Foto: Reprodução/Twitter | Ricardo Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O procurador Deltan Dallagnol disse que a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba subestimou a repercussão da apresentação em PowerPoint para incriminar Lula, em 2016, que colocava o ex-presidente no centro de uma suposta organização criminosa.

Em entrevista ao UOL, aos colunistas Tales Faria e Thaís Oyama, o procurador disse que não houve "erro" naquela apresentação que foi parte da espetacularização do processo em que um dos integrantes da força-tarefa disse "não temos provas, mas temos convicção".

"Qual foi o erro daquele episódio?", indagou Dallagnol. "Foi a gente não perceber que ações envolvendo o ex-presidente Lula tomam uma dimensão muito grande. Se a gente tivesse percebido isso, a gente certamente teria feito de um modo diferente. Agora se me perguntar se foi errado, não foi errado, só foi um jeito que não foi conveniente, que não repercutiu bem", acrescentou.

O PowerPoint contra Lula foi apresentado numa coletiva de imprensa que fugia a todos os ritos do Ministério Público. A peça foi usada para desmoralizar o ex-presidente Lula e na época virou até alvo de piadas por não trazer consistência em suas acusações.

Dallagnol, no entanto, nega a motivação política na Lava Jato que culminou na retirada do candidato favorito das eleições de 2018 e levou a eleição de Jair Bolsonaro, que levou o então juiz Sergio Moro para a equipe de governo como Ministro da Justiça.

"Existem pessoas que vão politizar a Lava Jato, mas é minoria entre a extrema-direita porque [o trabalho] é técnico e apartidário", afirmou. "Nunca me manifestei em pautas partidárias, nunca participei do debate de forma ideologizada, nunca defendi ou ataquei pessoas e instituições. Minha participação é a pauta anticorrupção".

A declaração contrasta com as revelações da Vaza Jato. Em mensagens trocadas por Dallagnol com grupos de direita que insuflaram o golpe de 2016 contra a presidenta Dilma. Enquanto o Brasil entrava em choque com a morte do ex-ministro Teori Zavascki num acidente aéreo até hoje não explicado, o procurador Deltan Dallagnol se articulava com movimentos como Mude e Vem pra Rua para tentar pressionar o Supremo Tribunal Federal a não colocar Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli como seus substitutos. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247