Defesa de Delcídio pede ao STF revogação de prisão

A defesa do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) pediu nesta quinta (3) ao Supremo Tribunal Federal a revogação da prisão do parlamentar, que está preso desde a semana passada na Superintendência da Polícia Federal em Brasília; ele é acusado pelo MPF de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato;   

A defesa do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) pediu nesta quinta (3) ao Supremo Tribunal Federal a revogação da prisão do parlamentar, que está preso desde a semana passada na Superintendência da Polícia Federal em Brasília; ele é acusado pelo MPF de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato; 
 
A defesa do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) pediu nesta quinta (3) ao Supremo Tribunal Federal a revogação da prisão do parlamentar, que está preso desde a semana passada na Superintendência da Polícia Federal em Brasília; ele é acusado pelo MPF de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato;    (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

André Richter - Repórter da Agência Brasil

A defesa do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) pediu hoje (3) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a revogação da prisão do parlamentar, que está preso desde a semana passada na Superintendência da Polícia Federal em Brasília. Ele é acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

Delcídio é investigado em três inquéritos na Corte. De acordo com as investigações do MPF, o senador tentou dissuadir o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró de aceitar o acordo de colaboração premiada, ou que, se isso acontecesse, que evitasse delatar o parlamentar e também ex-controlador do Banco BTG André Esteves, que também está preso.

Em um trecho do processo, a Procuradoria-Geral da República (PGR) afirma que Delcídio ofereceu dinheiro para evitar a citação de seu nome nas investigações. “O senador Delcídio do Amaral ofereceu a Bernardo Cerveró auxílio financeiro, no importe mínimo de R$ 50 mil mensais, destinado à família de Nestor Cerveró, bem como prometeu intercessão política junto ao Poder Judiciário em favor de sua liberdade, para que ele não entabulasse acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal”, diz a PGR.

No STF, 68 pessoas são investigadas na Lava Jato, entre elas, 23 deputados federais, 14 senadores, um ministro de Estado e um ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). As demais não têm foro por prerrogativa de função, mas são processados pela Corte, por ter ligações diretas com parlamentares.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247