Defesa de Lula aponta contradições em delações de Emílio e Marcelo Odebrecht

Defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que o juiz federal Sérgio Moro analise a validade das delações premiadas de Emílio e Marcelo Odebrecht, patriarca e ex-presidente da empreiteira Odebrecht, respectivamente; para o advogado Cristiano Zanin Martins, pai e filho se contradisseram nos depoimentos prestados à Justiça em relação a ação penal onde Lula é acusado de aceitar vantagens ilícitas da construtora

Defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que o juiz federal Sérgio Moro analise a validade das delações premiadas de Emílio e Marcelo Odebrecht, patriarca e ex-presidente da empreiteira Odebrecht, respectivamente; para o advogado Cristiano Zanin Martins, pai e filho se contradisseram nos depoimentos prestados à Justiça em relação a ação penal onde Lula é acusado de aceitar vantagens ilícitas da construtora
Defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que o juiz federal Sérgio Moro analise a validade das delações premiadas de Emílio e Marcelo Odebrecht, patriarca e ex-presidente da empreiteira Odebrecht, respectivamente; para o advogado Cristiano Zanin Martins, pai e filho se contradisseram nos depoimentos prestados à Justiça em relação a ação penal onde Lula é acusado de aceitar vantagens ilícitas da construtora (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que o juiz federal Sérgio Moro analise a validade das delações premiadas de Emílio e Marcelo Odebrecht, patriarca e ex-presidente da empreiteira Odebrecht, respectivamente. Para o advogado Cristiano Zanin Martins, pai e filho se contradisseram nos depoimentos prestados à Justiça em relação a ação penal onde Lula é acusado de aceitar vantagens ilícitas da construtora.

Segundo o MPF, as propinas pagas pela Odebrecht junto a contratos da Petrobras somam cerca de R$ 75 milhões. Segundo a Lava jato, o valor inclui um terreno de R$ 12,5 milhões, que seria utilizado para a construção do Instituto Lula, e um apartamento de R$ 500 mil que também teria sido entregue ao ex-presidente.

Segundo Marcelo Odebrecht, a empreiteira teria disponibilizado uma espécie de conta corrente para Lula, por meio do ex-ministro Antonio Palocci, com créditos de até R$ 200 milhões.
"Lula sabia desta planilha, por quê? Porque eu cheguei pra meu pai e disse assim: "Meu pai, avisa o Lula para ele não estranhar, porque em 2010 não vai aparecer quase contribuição nenhuma nossa" e, de fato, não teve muita contribuição nossa, por quê?", disse o delator."Meu pai que pode dizer o que Lula sabia ou deixava de saber", completou.

Em junho, porém, o patriarca da Odebrecht deu outra versão sobre o caso. "Eu tive conhecimento que Marcelo me trouxe para eu informar o presidente Lula e eu não levei para o presidente Lula, não levei, porque eu não levava números para ele. Então o que eu perguntei é o seguinte: 'Você e o interlocutor indicado pelo presidente acertaram, vocês estão de acordo?'. Pronto, eu não levei", afirmou Emílio referindo-se ao ex-ministro Antonio Palocci.

Para a defesa de Lula, "sucedeu que, ao prestarem depoimento perante este Juízo, sob o compromisso de dizer a verdade, Marcelo Odebrecht, enquanto corréu colaborador, e Emílio Odebrecht, na condição de testemunha colaboradora, apresentaram testemunhos manifestamente antagônicos e, portanto, incompatíveis entre si",

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247